Professores acampam na Assembleia Legislativa de São Paulo

Professores acampam na Assembleia Legislativa de São Paulo

Compartilhe nas redes

Greve dos Professores 1As lideranças da categoria, em greve desde 13 de março, querem a intermediação política dos deputados para abrir um canal concreto de negociação com o governo estadual. Segundo a Apeoesp, a greve tem adesão de 70% dos 240 mil professores da rede pública estadual.

Os professores reivindicam aumento salarial de 75,33% para equiparação com demais categorias de nível superior, contratação de professores temporários com garantia de direitos, aumento do vale alimentação e vale transporte, entre outros itens que visam também à melhoria da escola pública, como a reabertura de classes e desmembramento de classes superlotadas. A categoria tem reunião marcada para o dia 23 com o secretário da Educação, Herman Voorwald, mas quer negociação direta com a Casa Civil.

A ocupação das galerias começou após audiência pública convocada por 20 deputados de nove partidos para discutir a pauta de reivindicações dos professores.

Greve dos Professores 2Participaram da audiência deputados da oposição, professores em greve, entidades estudantis e líderes sindicais que denunciaram o descaso com a escola pública e aproveitaram a ocasião para reafirmar o dia nacional de luta contra o PL 4330, que regulamenta o trabalho terceirizado, e contra as Medidas Provisórias 664 e 665, que restringem o acesso ao seguro-desemprego e benefícios previdenciários como a pensão por morte. Durante a audiência pública, oradores e manifestantes também gritaram palavras de ordem contra a mídia, especialmente a Rede Globo, que na avaliação deles vinha tentando ignorar a greve.

 

Contra a terceirização

TerceirizaçãoO dia de luta nacional contra o Projeto de Lei 4.330/2004, em tramitação na Câmara dos Deputados, que regulamenta as atividades de terceirização no país, também foi tema abordado na audiência.

Representantes de entidades do professorado e deputados destacaram o risco que essa proposta traz às relações do trabalho, e mostraram receio de que no futuro até as escolas sejam terceirizadas, o que prejudicaria ainda mais a qualidade de ensino. Também foram feitas críticas às MPs 664 e 665, também consideradas lesivas aos trabalhadores.

Solidarizaram-se com os professores os deputados Professor Auriel, Marcos Martins, Márcia Lia, Teonílio Monteiro da Costa, o Barba, Luiz Fernando Teixeira, Luiz Turco, Enio Tatto e Geraldo Cruz, todos do PT; Atila Jacomussi (PCdoB) e Carlos Giannazi e Raul Marcelo (ambos do Psol).

 

 

Fonte: Vermelho Portal de Notícias