Brasil comemora conquista do direito ao voto feminino

Brasil comemora conquista do direito ao voto feminino

Compartilhe nas redes

O país comemorou nesta quarta-feira (24) o Dia da Conquista do Voto Feminino no Brasil. Foi nessa data, em 1932, durante o governo Getúlio Vargas, que as mulheres passaram a poder escolher democraticamente seus governantes.

O voto feminino no Brasil foi assegurado após intensa campanha nacional. No início, o direito era reservado somente às mulheres casadas, autorizadas pelos maridos a exercer o voto, e às viúvas e solteiras cuja renda era oriunda de seus próprios esforços. Apenas em 1934 essas limitações caíram por terra. Até 1964, era apenas um direito e, a partir daquele ano, passou também a ser obrigatório, como há muito tempo já era para os eleitores homens.

Voto femininoA luta das sufragistas brasileiras começou bem antes, ainda no final do século 19. Em 1891, a discussão sobre o tema havia chegado ao Congresso, mas foi rechaçada pela maioria dos deputados sob a alegação da inferioridade da mulher e que este direito poria em risco a preservação da família brasileira.

No Rio Grande do Norte, Celina Guimarães Viana, 29 anos, foi a primeira mulher a votar. Ela cadastrou-se num cartório da cidade de Mossoró, numa lista de interessados em tornar-se eleitores naquele ano. A Comissão de Poderes do Senado anulou o voto de Celina. Longe dali, em Minas Gerais, Mietta Santiago, estudante de Direito, também conquistou o direito por meio de um mandado de segurança, embasado no artigo 70, da Constituição de 1891.

O Brasil foi o segundo da América Latina a conquistar o direito, ficando atrás apenas do Equador. Hoje mais de 52% de eleitores são do sexo feminino. Além das mulheres votarem, elas iniciaram também sua entrada no mundo da política, candidatando-se a cargos eletivos.

A data foi incorporada ao calendário oficial do governo federal em 2015, em lei sancionada pela presidenta Dilma Rousseff.

Voto feminino1A luta das mulheres pelo direito ao voto é tema do filme As Sufragistas (Suffragette). O longa se passa no início do século passado, no Reino Unido. Na história, após décadas de manifestações pacíficas sem sucesso, um grupo militante decide coordenar atos de insubordinação, quebrando vidraças e explodindo caixas de correio, para chamar a atenção dos políticos locais à causa.

Vídeo: assista ao trailer oficial

A direção é de Sarah Gavron e, no elenco, estão Carey Mulligan, Helena Bonham Carter, Meryl Streep, Brendan Gleeson, Anne-Marie Duff, Ben Whishaw, Romola Garai e Samuel West, entre outros.

 

 

Fonte: Rede Brasil Atual