Prefeitura no Bairro reúne mais de 800 pessoas na região leste

Prefeitura no Bairro reúne mais de 800 pessoas na região leste

Mais de 800 pessoas participaram da sexta edição do Prefeitura no Bairro, realizada neste sábado (1º) em uma escola municipal do Campos de São José, na região leste de São José dos Campos. Também foram atendidos os moradores de Jardim Mariana I, Jardim Mariana II, Pousada do Vale, Santa Cecília I, Santa Cecília II, Serrote, Jardim Monterrey, Jardim Helena e Cajuru.
Prefeitura no Bairro1Cerca de 80 serviços e atividades diversas como emissão de documentos, inscrição no programa habitacional do município, assistência jurídica, informações sobre abertura de empresa, microcrédito e cursos de qualificação gratuitos, música, área de lazer e aulas de culinária, foram disponibilizados pela Prefeitura neste sábado.
Prefeitura no Bairro2As novidades desta edição ficaram por conta da oficina de docinhos para as crianças, do Fundo Social de Solidariedade, e da oficina de figureiras, da Fundação Cultural Cassiano Ricardo (FCCR).
Mais uma vez, as secretarias de Habitação, para cadastro no programa habitacional da Prefeitura, e de Desenvolvimento Social, para realização do Cadastro Único (que permite inclusão no Bolsa Família), estiveram entre as mais procuradas.

O programa Prefeitura no Bairro continuará sendo realizado quinzenalmente, aos sábados, das 9h às 14h. A sétima edição será no dia 15 deste mês na escola municipal Moacyr Benedito de Souza, no Campo dos Alemães (região sul).

Com informações da Prefeitura de São José dos Campos

Ipplan inova e lança Sistema Mobile, aplicativo 156 para celulares

Ipplan inova e lança Sistema Mobile, aplicativo 156 para celulares

156 App - Antonio Basilio PMSJCDepois de contabilizar mais de 1,2 milhão de ligações em 2014, a Central Integrada de Relacionamento 156 inova o atendimento e lança o Sistema Mobile, um aplicativo que permite ao munícipe de São José dos Campos solicitar serviços, obter informações, registrar elogios, sugestões ou reclamações diretamente de seu celular.

A gestão da Central no município foi assumida pelo Ipplan (Instituto de Pesquisa, Administração e Planejamento) em janeiro de 2011 e desde então, vem registrando um crescimento anual da procura pelo serviço. No ano passado, a demanda foi 20% maior se comparada a 2013.

Levantamentos recentes do setor apontam que hoje há cerca de 39 milhões de usuários de smartphones no Brasil e a projeção é que, até 2017, o número de usuários desse tipo de aparelho supere a marca de 72 milhões de pessoas.

Na prática, o serviço funcionará da seguinte forma: depois de baixado o aplicativo Mobile 156 em seu smartphone, o munícipe se cadastra e já pode fazer a solicitação via celular. Após digitar o pedido de informação, serviço, sugestão, elogio ou reclamação, a mensagem é enviada para a Central, que emite um número de protocolo e a encaminha para o setor responsável da Prefeitura, que analisará a solicitação para providências.

Quando o protocolo é respondido pelo setor responsável, uma mensagem é encaminhada automaticamente pelo Sistema Mobile 156 para o celular do munícipe. A grande vantagem dessa ferramenta é a possibilidade de envio de até quatro imagens anexadas à mensagem, o que facilitará o entendimento do problema.

O aplicativo já está disponível para download nas lojas on-line da Google Play e da Apple App Store. O usuário pode ainda, digitar 156 SJC para localizar o serviço.

Assim como a gestão de uma Central 156, a nova tecnologia disponibilizada pelo Instituto pode ser oferecida a outras Prefeituras brasileiras, inclusive àquelas que não tenham infraestrutura para montar um call center.

Central Integrada de Relacionamento

A Central Integrada de Relacionamento opera hoje em São José dos Campos com aproximadamente 110 atendentes que se revezam em turnos. São mais de 1.400 diferentes tipos de serviços prestados aos usuários de segunda a sábado, das 6h às 22h, e aos domingos das 8h às 20h.

É importante ressaltar que a cada 10 ligações recebidas, 8 são encerradas no primeiro contato, ou seja, o munícipe tem uma resposta imediata para aquilo que procura. Isso se dá, principalmente, porque 83% das ligações dizem respeito a pedidos de informação, como dúvidas sobre IPTU, horários de ônibus, atendimento das Unidades Básicas de Saúde, entre outros serviços municipais.

 

Fonte: Prefeitura de São José dos Campos

Tenda para atender só casos de dengue já funciona em São José

Tenda para atender só casos de dengue já funciona em São José

tenda dengue1Uma tenda para atendimento exclusivo de casos de dengue começou a funcionar nesta segunda-feira (4) em São José dos Campos. Com esse espaço, instalado no estacionamento do Hospital Municipal, na Vila Industrial, o objetivo é agilizar o diagnóstico, concentrando todas as fases do atendimento dos pacientes em um único local. A iniciativa integra o plano de contingência, anunciado pela Prefeitura de São José dos Campos que, no início de março, lançou a campanha “São José na Guerra contra a Dengue”.

A tenda é refrigerada, tem u  ma área de 100 metros quadrados (10m² x 10m²), 16 cadeiras para hidratação e 12 profissionais, entre equipe administrativa, médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem para atendimento de segunda a sábado, das 8h às 22h. O horário poderá ser estendido dependendo do movimento. A tenda tem capacidade para atender de 100 a 150 pessoas por dia. Nesta segunda-feira (1º), o movimento foi intenso. Só no período da manhã, 55 pacientes foram atendidos.

tenda dengue2O atendimento começa com o preenchimento da ficha, logo que o paciente chega ao local. Depois, ele é encaminhado à enfermeira que fará a classificação de risco. Em seguida, vai para a hidratação. O médico faz o atendimento do paciente durante a hidratação.

Pacientes com sintomas de dengue, mas sem sinais de agravamento, não fazem exame de sangue, apenas são encaminhados para a hidratação oral, ministrada pela equipe da tenda. Depois, os pacientes recebem as orientações de ingestão de líquido e dipirona, para o caso de dor e/ou febre, e são liberados.

Para os que apresentam sinais de agravamento, a hidratação é intravenosa. Neste caso, a liberação do paciente demora mais. Só tem alta após tomar soro e se submeter ao exame de sangue. Eventuais casos em que seja necessária a internação, o paciente é encaminhado ao hospital.

tenda denguePara o secretário de Saúde, a expectativa é que a tenda desafogue o Pronto-Socorro do Hospital, já que vai absorver boa parte da demanda, além de agilizar o atendimento aos casos de suspeita de dengue.

“A tenda receberá os pacientes que procurarem o Hospital Municipal com suspeitas de dengue. Para aqueles que moram em bairros mais periféricos, colocamos três Unidades Básicas de Saúde (UBS) para o reforço no atendimento. Acreditamos que tais medidas sejam suficientes para suprirmos a demanda”, disse o secretário.

Apesar do reforço no atendimento das pessoas doentes, o secretário destaca que o foco do município ainda está no combate aos criadouros do mosquito. “Tomamos algumas medidas importantes para garantir um atendimento mais ágil à população, mas é importante que todos estejam conscientes que a guerra contra a dengue continua. Cada um deve fazer a sua parte, cuidando do seu quintal para evitarmos a proliferação do mosquito transmissor. Só assim conseguiremos conter o avanço da doença na cidade”, disse.

Este ano São José dos Campos já registrou 4.666 casos confirmados de dengue, dos quais 4.389 são autóctones e 277 importados.

São Paulo vive pior epidemia de sua história

O Estado de São Paulo vive a pior epidemia de dengue da sua história. Até agora, são 169 mortes por dengue confirmadas em 2015. Este é o maior número de vítimas em território paulista desde 1990, quando começou o balanço oficial do Ministério da Saúde. O último boletim epidemiológico, que traz dados até 18 de abril, mostra ainda que o país já vive epidemia da doença, com 745,9 mil casos notificados.

Além do recorde de mortes, São Paulo também acumula neste ano o maior número de casos confirmados e notificados da doença desde que esses índices passaram a ser tabulados.

Pelos números do ministério, que considera todas as notificações (casos confirmados e aqueles ainda em investigação), já são 401,5 mil registros no Estado, uma alta de 379% se comparado com o mesmo período do ano passado. O índice de incidência da doença em São Paulo chegou a 911,9 casos por 100 mil habitantes – acima de 300, a taxa já é considerada epidêmica, de acordo com classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Quando analisado o número de mortes, o aumento em relação a 2014 é ainda maior. Os 169 óbitos já confirmados neste ano equivalem à alta de 382% sobre as 35 mortes registradas no mesmo período do ano passado. Em relação a todo o ano de 2014, quando o Estado teve 90 óbitos, a alta é de 87,7%.

São Paulo responde hoje por 73% das 229 mortes confirmadas por dengue no país, o que significa que, de cada quatro pessoas que morreram vítimas da doença no Brasil desde janeiro, três eram moradoras de cidades paulistas.

Dados da Secretaria Estadual da Saúde mostram que metade do Estado está em surto, com predominância de casos em algumas regiões, como o noroeste paulista e as áreas no entorno de Sorocaba e Campinas.

 

Fonte: Prefeitura de São José dos Campos

Encontro reúne representantes de 40 empresas parceiras do Jovem Aprendiz

Encontro reúne representantes de 40 empresas parceiras do Jovem Aprendiz

Fachadas das Fundhas: Fundhas Centro. Foto: Antonio Basilio SJC 09-10-2013Cerca de 40 empresários da região participaram de um encontro com a equipe do Programa Jovem Aprendiz da Fundhas (Fundação Hélio Augusto de Souza), realizado nesta quarta-feira (15), no auditório da sede da Instituição. A reunião contou com um café da manhã preparado pelos adolescentes do curso da Padaria Escola.

Além de esclarecer as propostas do Programa, o encontro destacou a importância das empresas no desenvolvimento dos jovens atendidos pela Fundhas. O gerente de administração de serviços da empresa Johnson & Johnson, José Ivan Ribeiro, considerou o convênio com a Prefeitura muito importante.

“A Johnson enxerga com muita responsabilidade essa parte social na busca de boas oportunidades para esses jovens. É fantástico este trabalho, porque a gente pode ver o quanto São José está à frente na relação aos cuidados com esses jovens. Toda sociedade ganha com isso”, disse José Ribeiro.

Para o Chefe de Divisão de Empregabilidade da Fundhas, Marco Freire, esses encontros com as empresas e convênios são fundamentais para os atendidos. “É uma oportunidade que o adolescente tem para conhecer a rotina de uma firma, criar responsabilidade, aprimorar os conhecimentos e melhor de vida. Muitos desses jovens, que passam pelo Programa, são contratados pelas corporações devido ao trabalho que foi desenvolvido neste período de aprendizado”, contou.

O Jovem Aprendiz é atendido pela Fundhas e contratado por um empresa, com direito ao registro em carteira de trabalho, salário mínimo, 13º salário, FGTS, férias, auxílio alimentação, auxílio transporte e é certificado em todos os cursos que frequenta. Baseado na lei de Aprendizagem 10.097 de 19 de dezembro de 2000, o programa oferece atividades práticas que são desenvolvidas nas empresas parceiras, complementando o conhecimento adquirido nos cursos da Fundhas.

Por meio deste convênio da Fundhas e empresas privadas, cerca de 300 jovens foram encaminhados para empresas da região em 2014 e no primeiro semestre deste ano foram aproximadamente 220. Entre as empresas parceiras da Fundhas estão Embraer/ELEB, Johnson & Johnson, Transzero, Ericsson, Expresso Maringá, Leroy Merlin e Monsanto.

A Fundhas é uma instituição sem fins lucrativos, mantida pela Prefeitura de São José dos Campos, que atende gratuitamente, crianças e adolescentes, de 6 a 18 anos, no contraturno escolar. São 19 unidades distribuídas nas regiões da cidade.

Com informações da Prefeitura de São José dos Campos

Projeto DNA auxilia bolsistas do PIQ na recolocação profissional

Projeto DNA auxilia bolsistas do PIQ na recolocação profissional

JOU_4299Os novos bolsistas que ingressam no PIQ (Programa de Incentivo à Qualificação), coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento Social da Prefeitura, estão participando de um treinamento denominado DNA (Desenvolvendo Novas Atitudes). O objetivo do projeto é fazer com que o bolsista explore todas as oportunidades oferecidas pelo PIQ e deixe a condição de vulnerabilidade.

O projeto também propõe motivar, capacitar, qualificar e estimular o bolsista para as atividades que irá desenvolver, oferecendo noções de cidadania e política pública. Os 500 bolsistas inseridos no PIQ este mês passarão pela capacitação.

O projeto começou de forma experimental em agosto do ano passado e agora foi implantado de forma regular. As aulas ocorrem às terças, quartas e quintas-feiras, no período da manhã. Até o momento, mais de 500 bolsistas já fizeram o treinamento.

Segundo o instrutor José Carlos da Silva, gestor de RH com especialização em psicologia organizacional, o curso oferece treinamento e integração, reformula conceitos de cidadania e economia doméstica, além de preparar o bolsista para a profissionalização. “O tempo de permanência no PIQ é de três anos, então o bolsista tem que ser motivado a continuar aprendendo”, disse.

O DNA também veio com o propósito de auxiliar o bolsista no futuro. “Constatamos a importância de um acompanhamento sistemático durante todo o período, de maneira que ao deixarem o programa eles se sintam qualificados e tenham um mínimo de segurança para se reinserir no mercado”, completou.

O DNA é apresentado em encontros periódicos, dinâmicos e com um linguajar acessível e claro. A metodologia de trabalho com os bolsistas está dividida em quatro eixos principais: Ser, Conviver, Fazer e Aprender, distribuídos em cinco encontros a cada seis meses de 9 horas/aula, com duração de 3 horas/aula cada encontro.

Atualmente, o PIQ conta com 1.500 bolsistas atuando em diversas secretarias municipais. Além da bolsa no valor de R$ 811, eles recebem vale-alimentação no valor de R$ 100 e vale-transporte. Os bolsistas também participam, durante oito horas por semana, de cursos de capacitação profissional. Do ano passado para cá, 117 bolsistas deixaram o programa antes dos 3 anos para ser inseridos no mercado de trabalho.

 

Fonte: Prefeitura de São José dos Campos