Pronatec terá 2 milhões de matrículas em 2016

Pronatec terá 2 milhões de matrículas em 2016

A presidenta Dilma Rousseff anunciou, nesta quarta- feira (9), a oferta de 2 milhões de vagas para o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) para este ano. A iniciativa governamental, criada em 2011, vai oferecer cursos técnicos e profissionalizantes nos institutos federais de educação, ciência e tecnologia, no Sistema S, além de escolas Estaduais e municipais. Do total de vagas ofertadas para 2016, estão previstas 372 mil em cursos técnicos e 1,627 milhão em cursos de qualificação profissional.

Para possibilitar essa quantidade de matrículas e fortalecer o Pronatec, o Ministério da Educação (MEC) firmou uma parceria com as entidades do Sistema S. Participam dessa parceria Senai, Senac, Senar, Senat e Sebrae. Outros ofertantes do programa são os institutos federais e as redes Estaduais e municipais.

MEC - Min da EducUm dos destaques do programa em 2016 é o fortalecimento do Pronatec EJA (Educação de Jovens e Adultos): aqueles que, por algum motivo interromperam seus estudos, terão a oportunidade de participar do programa tendo seus conhecimentos, oriundos do trabalho e de experiências anteriores, valorizados e aproveitados ao longo dos cursos.

O Pronatec EJA se relaciona diretamente à meta 10 do Plano Nacional de Educação (PNE), que prevê, até 2024, a oferta de no mínimo 25% das matrículas de jovens e adultos nos Ensinos Fundamental e Médio, vinculadas à educação profissional.

Os estudantes do programa também poderão optar pelo e-Pronatec, que os permite estudar onde e quando preferir, de acordo com a própria disponibilidade. O aluno vai estudar por meio de plataformas digitais, simuladores, animações e outros métodos de aprendizagem na internet, na TV Escola e em demais canais educativos, ofertados principalmente pelos institutos federais e pelo Sistema S.

O Pronatec

Em geral, são oferecidos pelo Pronatec dois tipos de formação: cursos técnicos de maior duração, que variam de um ano e meio a dois anos, e cursos de qualificação profissional de curta duração, que vão de dois a três meses até seis meses.

logo-pronatec2_600x360Todos os cursos são gratuitos, e o aluno ganha a matrícula, os livros, o uniforme, o material para usar nas aulas práticas e até auxílio para alimentação e o transporte. Os cursos são divididos principalmente nas áreas da indústria, comércio, agricultura e transportes.

Dos beneficiados do Pronatec, 70% são jovens com até 29 anos, 60% são mulheres e um terço das matrículas é no Nordeste.

De 2011 a 2015, o Pronatec registrou 9,4 milhões de matrículas entre cursos técnicos e de qualificação profissional. Em 2015, foram 1,3 milhão de matrículas, sendo os cursos técnicos mais procurados: técnico em informática, técnico em segurança do trabalho e técnico em logística. Na parte dos cursos de qualificação profissional, os mais requisitados foram operador de computador, assistente administrativo e horticultor orgânico.

 

 

 

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Educação

ProUni tem quase 1,6 milhão de inscritos em 2016

ProUni tem quase 1,6 milhão de inscritos em 2016

O Programa Universidade para Todos (ProUni) teve um aumento de 28% na procura em relação à edição do ano passado, com 3.108.422 inscrições para bolsas parciais e integrais em universidades particulares em todo o País. Os dados foram divulgados nesta terça-feira pelo MEC, em entrevista coletiva. Desde sua criação em 2005, o Ministério da Educação (MEC) ofereceu 1,74 milhão de bolsas.

img_prouni2013_matriculaNeste ano, os 1.599.808 inscritos puderam escolher  duas opções entre mais de 30 mil cursos e disputar as 203.602 bolsas de estudos ofertadas. Cerca de 65% dos inscritos tem até 22 anos e 59,5% são mulheres.

O curso mais procurado entre os inscritos foram as engenharias. O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou que o aumento pelo interessa na área de engenharia coloca o Brasil no mesmo junto de países desenvolvidos. “Outros países tem o mesmo perfil de interesse no ensino superior na área de engenharia. O nosso desafio agora é estimular a procura pelas carreiras em químia e física”, comentou.

Mercadante chamou atenção para o cronograma de atividades ainda para o ProUni. Até o dia 1º de fevereiro, os alunos selecionados para as vagas devem comprovar informações através do site do ProUni (http://prounialuno.mec.gov.br/). Ainda há uma segunda chamada, que será divulgada no dia 12 de fevereiro, e outro período para comprovar informações. Quem ainda tiver interesse, pode se manifestar intenção de participar da lista de espera dos dias 26 a 29 também de fevereiro.

 

 

ProUni oferece bolsa de estudo para 82 cursos em São José dos Campos

ProUni oferece bolsa de estudo para 82 cursos em São José dos Campos

O Ministério da Educação abriu nesta terça-feira (19) o período de inscrições para bolsas de estudo em faculdades particulares por meio do Programa Universidade para Todos (Prouni). Nesta edição, o programa oferece 203.602 bolsas para 30.931 cursos no país. O Estado de São Paulo tem um total de 62.630 bolsas. Em São José dos Campos, são 871 bolsas em 82 cursos em diversas instituições.

img_prouni2013_matriculaA inscrição deve ser feita somente pela internet até as 23h59 de sexta-feira (22). O candidato que se inscreveu no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) também pode se inscrever no ProUni.

O programa concede bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em instituições privadas de ensino superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, a estudantes brasileiros sem diploma de nível superior. Os cursos podem ser presenciais ou a distância, em nível superior ou tecnológico.

O candidato pode se inscrever no Sisu e no Prouni, desde que atenda aos critérios do programa. Mas, caso seja selecionado nos dois programas, terá de escolher entre a bolsa do Prouni e a vaga do Sisu.

O processo seletivo terá duas chamadas sucessivas: a primeira no dia 25 de janeiro e a segunda no dia 12 de fevereiro.

Sisu

O Ministério da Educação também divulgou nesta segunda-feira (18) a primeira chamada de aprovados para o Sisu 2016, que este ano oferece 228.071 vagas em diversos cursos em universidades federais e institutos tecnológicos.

Em São José dos Campos, estão disponíveis, conforme a classificação obtida pelo aluno no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), 380 vagas no curso de Ciência e Tecnologia, matemática e química, além de vagas nos cursos oferecidos em várias cidades da região, totalizando mais de 800 vagas.

 

 

 

Fonte: Prefeitura de São José dos Campos

Boato sobre livro de educação sexual supostamente distribuído nas escolas pelo Ministério da Educação

Boato sobre livro de educação sexual supostamente distribuído nas escolas pelo Ministério da Educação

É falso que o Ministério da Educação (MEC) tenha distribuído para alunos da rede pública de ensino o livro “Aparelho Sexual e Cia”, que, segundo vídeo que circula em redes sociais, seria inadequado para crianças e jovens brasileiros.

O ministério informa que jamais “produziu, adquiriu ou distribuiu” a obra,  e que o livro nunca integrou os programas nacionais de distribuição de materiais didáticos.

boato 2O vídeo que circula web sustenta que o governo distribuiu o livro e, assim, estaria “estimulando precocemente as crianças a se interessarem por sexo”. O Ministério da Educação informa que o livro em questão é uma publicação da editora Cia das Letras e que a empresa responsável pelo título informa, em seu catálogo, que a obra já vendeu 1,5 milhão de exemplares em todo o mundo e foi publicada em 10 idiomas.As informações equivocadas presentes no vídeo, inclusive, repetem questão que já tinha sido esclarecida anos atrás. Em 2013, o Ministério da Educação já havia respondido oficialmente à imprensa que “a informação sobre a suposta recomendação é equivocada e que o livro não consta no Programa Nacional do Livro Didático/PNLD e no Programa Nacional Biblioteca da Escola/PNBE”.

Ao contrário do que foi dito no referido vídeo, o ministério também ressaltou que a revista Nova Escola, edição 279, de fevereiro de 2015, que traz a matéria “Educação sexual: Precisamos falar sobre Romeo…”, uma reportagem sobre sexo, sexualidade e gênero, dirigida a professores, “não é uma publicação do MEC, e sim da Editora Abril”.

Como acontece com todo boato, a gravação que circula na internet não apresenta nenhuma prova das acusações que faz, como chama a atenção o Ministério da Educação.

“O vídeo que apresenta as obras como sendo do MEC, em nenhum momento, comprova a vinculação do Ministério aos materiais citados, justamente porque essa vinculação não existe”, disse a pasta, em nota oficial.

 

 

Fonte: Portal Brasil

Redações de alunas no Enem chamam atenção com relatos vívidos de agressão

Redações de alunas no Enem chamam atenção com relatos vívidos de agressão

Em meio às 5,5 milhões de redações corrigidas, sobre a persistência da violência contra a mulher no Brasil, escritas por alunos que prestaram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no ano passado, 55 textos alertaram os examinadores. Continham relatos vívidos de agressão e assédio — que poderiam ser, na realidade, depoimentos. Diante da preocupação, o Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) vão oferecer, nas páginas oficiais na internet, orientações para quem deseja fazer denúncias por meio do Ligue 180, número da Central de Atendimento à Mulher.

enem3O medo de entrar em contato diretamente com as alunas foi citado pelo ministro da pasta, Aloizio Mercadante: “Nós jamais divulgaríamos a redação e o nome. Mas nós poderíamos, por exemplo, mandar um e-mail para ela dizendo que a partir das informações, ela poderia tomar providências e teria todo nosso apoio. Vamos supor que o agressor tem acesso ao e-mail: o que poderia acontecer com essa mulher? Ninguém pode tomar essa iniciativa, só ela”, explicou.

Somente em 2015, o Ligue 180 recebeu mais de 634 mil ligações, lembrou o ministro, totalizando 4,7 milhões de atendimentos nos últimos 10 anos. “E não são só as que fizeram a redação, as estatísticas são dramáticas. Então, é uma ótima oportunidade de aumentarmos a proteção a essas mulheres”.

O ministro rebateu, ainda, as acusações de que o tema da redação teria teor doutrinador. “Houve uma tentativa de crítica ideológica, como se isso fosse uma questão ideológica. É um fato. O Brasil é o quinto país no mundo em que há mais violência contra a mulher, apesar da (Lei) Maria da Penha”, argumentou. “Alguns covardes se escondem atrás desse tipo de argumento, aqueles que são cúmplices desse tipo de violência”.

Testemunha

enem1A técnica de enfermagem Mariane Santos, 27 anos, fez o Enem pela primeira vez em 2015. Embora tenha terminado o ensino médio em 2010, o trabalho e o cuidado com as duas filhas a impediram de fazer a prova antes e de concorrer a uma vaga para o curso de psicologia. “Com a correria e as responsabilidades, eu acabava perdendo o prazo de inscrição. E sempre pensava em fazer o próximo. Em 2015, engravidei de novo e voltei ao trabalho, mal tive tempo para estudar, mas consegui fazer minha inscrição e depois a prova”.

Mariane, que trabalha no Hospital Municipal de Águas Lindas, em Goiás, conta que diversas vezes já atendeu mulheres vítimas de agressão doméstica e sexual: “Algumas das mulheres já estavam lá pela terceira ou quarta vez. Iam para o hospital para tomar medicação e fazer curativos. E, na maioria dos casos, elas não denunciavam, apenas procuravam ajuda para tratar dos ferimentos”. Ela considera que o tema da redação foi “muito bom”, principalmente para conscientizar os estudantes e debater um assunto importante. “Na minha prova, eu quis falar mais sobre a importância de denunciar, de não ficar calada. Acho que isso é fundamental para diminuir os casos”.

enem2Soraia da Rosa Mendes, professora do mestrado do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), ressalta que a discussão trazida pela redação abre espaço para o aperfeiçoamento de meios de proteção às vítimas. “Toda a espécie de ação que seja no incentivo da discussão pública sobre violência é sempre válido. Isso está sendo demonstrado nos últimos tempos. Essas oportunidades que as vítimas encontraram na redação do Enem mostram que precisamos criar mais canais para acolhê-las, que elas se sintam seguras para fazer as denúncias”, esclareceu a pesquisadora. “Mesmo com a Lei Maria da Penha, sabemos que as coisas são veladas.”

Para a professora Maria Lúcia Pinto Leal, do Departamento de Serviço Social da Universidade de Brasília (UnB), a proposta foi muito oportuna. “É uma ação preventiva, formativa e de direitos humanos, uma ideia muito importante. Fora que tem custo zero e sensibiliza milhões de estudantes de uma vez. Em algumas redações, vimos que apareceram perspectivas machistas, mas também denúncias e textos reafirmando o direito da mulher”, ponderou.

Sisu

Até a noite de ontem, primeiro dia de inscrições no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), pelo qual os alunos disputam por uma oportunidade em instituições públicas de ensino superior, mais de 1,2 milhão de estudantes já haviam se inscrito. Eles podem concorrer, até a próxima quinta-feira, a até duas das 228 mil vagas disponibilizadas em 131 instituições de todo o país — mas cada aprovado só poderá se matricular em um curso. O resultado sai em 18 de janeiro, e as matrículas serão realizadas em 22, 25 e 26 deste mês.