CUBA: A EXATA MEDIDA DE UM IMENSO FRACASSO

CUBA: A EXATA MEDIDA DE UM IMENSO FRACASSO

Coxa: “Vai pra Cuba!”. Com a morte de Fidel o leitmotiv predileto da direita vai voltar à carga. Esse é a acusação de que a esquerda quer transformar o Brasil numa Cuba, como se essa ilha fosse um imenso fracasso. É uma estratégia tão, mas tão desonesta, que é até difícil explicar o tamanho da desonestidade, mas vou tentar.

Para começar, Cuba pode realmente ser ruim para mim, que sou de classe média alta, mas é para 100% de seus habitantes melhor do que o Brasil é para 90% dos seus. Esse não é um chute estatístico, mas uma estimativa conservadora.

75,9% dos brasileiros vivem com menos de U$10.000 ao ano enquanto 10% dos brasileiros abocanham 75,4% da renda nacional (1% abocanha 48%) [1]. A renda per capita em Cuba ajustada por poder de compra é de 20.611 [2] dólares internacionais, enquanto a do Brasil antes da depressão econômica era de 15.893 dólares [3].

O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida. Ainda assim não quero ir pra Cuba, a não ser a turismo. Porque para mim a quantidade de liberdade é mais importante do que o pão. É claro, eu tenho pão. Bem mais do que isso, eu faço parte dos 10% de privilegiados brasileiros. Logo, sou mais livre aqui do que lá. Mas minha diarista certamente não. Que pena que ela não tem ideia do que realmente significa “Vai pra Cuba!”. E é também por isso que não posso querer para mim uma sociedade moralmente monstruosa como os EUA, aquela plutocracia onde o último traço de democracia é uma relativa liberdade de expressão. Mas o Brasil, meu Deus, o Brasil é uma monstruosidade social tão maior, que querer que ele se transforme em algo parecido com os EUA é querer reformas de esquerda. Sim, na maioria dos aspectos, os EUA estão à esquerda do Brasil.

No dia em que o Brasil tiver um salário mínimo como o dos EUA (U$7,25 por hora contra U$1,12)[4], uma distribuição de renda como a dos EUA (gini 40,8 contra 54,7) [5] , uma lei de mídia como a dos EUA, a proteção às indústrias e agricultura local como a dos EUA, um estado do tamanho do dos EUA [6] (14,6% da população empregada contra 11,1%), a direita vai poder alertar para o risco de ele virar uma Alemanha.

Até lá, em vez de gritar: “A esquerda quer transformar o Brasil numa Cuba!”, deveria gritar: “A esquerda quer transformar o Brasil num EUA!”.

E quando o Brasil ficasse parecido com os EUA, querer um governo de esquerda ia ser querer que o Brasil começasse a ter políticas de salvaguarda social mais parecidas com as da Alemanha [7] , sua saúde pública, sua educação pública, suas políticas ambientais estreitas, sua carga tributária (40,6% contra 34,4% do Brasil) [8], seu imposto progressivo (quanto mais rico, mais imposto).

E a direita deveria então gritar, se quisesse ser honesta: “Cuidado, a esquerda quer transformar o Brasil numa Alemanha!”

E então, quando o Brasil ficasse parecido com a Alemanha, a direita poderia alertar para o risco de virarmos uma Dinamarca. Aí, querer reformas de esquerda seria querer que mais da metade da renda fosse para os impostos (50,8%) [9], que os filhos da elite fossem obrigados a estudar em escolas públicas, entre as melhores do mundo, que estado tivesse mais de um terço da população empregada (34,9%) [10], bancasse dois anos de licença para criar um recém-nascido, limitasse fortemente a atuação das grandes corporações, fosse radicalmente democrático.

Finalmente, quando o Brasil ficasse parecido com a Dinamarca, o direitista poderia gritar sem hipocrisia seu terror com a Cuba que se avizinha, a do estado total e economia planificada, e disfarçar melhor sua inveja do funcionário público sob a máscara do ódio ao estado. Provavelmente nesse dia, até eu estivesse protestando a seu lado.

Na estratégia do espantalho cubano o reacionário brasileiro finge ser a favor da liberdade e do mérito, enquanto na verdade é contra. Contra a liberdade do povo, seus direitos trabalhistas, o investimento na educação e universidade públicas, o fortalecimento do SUS e a redução dos juros. Contra o aumento da carga tributária, do salário mínimo, do estado, da remuneração do professor básico, da distribuição de renda e das oportunidades para os excluídos.

Um conservador na Inglaterra é só um conservador. Um conservador no Brasil é um monstro. Um monstro que quer conservar as estruturas de um dos países mais desiguais e injustos do mundo.

Não, Cuba não é o paraíso. É só uma ilha rochosa no meio do Caribe sem recursos naturais de qualquer tipo e bloqueada economicamente há cinquenta anos. E, no entanto, garante saúde e educação universal para seu povo e tem IDH maior que o nosso, nós, que somos um continente, nós, que temos todos os recursos naturais.

Essa é a medida de nosso fracasso. O incrível e gigantesco fracasso do capitalismo brasileiro.

 

Fonte: Viomundo

Concluída a licitação para construção de mais uma creche em São José

Concluída a licitação para construção de mais uma creche em São José

A Vereadora Amélia tem buscado, em conjunto com a Prefeitura, maiores investimentos na área da educação para atender toda a cidade. Além dos avanços conquistados com a instalação do programa Escola Interativa em todas as unidades da rede municipal, a prefeitura de São José dos Campos tem investido também na construção de unidades escolares, como EMEFs e EMEIs por toda a cidade.

Os moradores do bairro Santa Edwiges em breve receberão uma nova creche, com capacidade para atender cerca de 350 crianças de 0 a 5 anos.

Leia mais

Amélia participa de entrega de reforma e ampliação em escola na Zona Leste

Amélia participa de entrega de reforma e ampliação em escola na Zona Leste

A Prefeitura de São José dos Campos entregou neste sábado (10) a obra de reforma e ampliação da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Profª Maria Amélia Wakamatsu, localizada no bairro Campos de São José, região leste.

O investimento incluiu reforma completa de refeitório, cozinha e banheiros dos alunos e a construção de três novas salas para atendimento de seis classes (3 de manhã e 3 no período da tarde), ampliando a capacidade da unidade em 210 vagas.

Além dessas melhorias, será construída ainda uma pista de skate ao lado da escola.

A Vereadora Amélia destacou a importância do trabalho realizado nas escolar durante a cerimônia na unidade. “Tenho muito orgulho de fazer parte dessa mudança em São José, os investimentos na área de educação não param e a cada dia a cidade está mais preparada para dar uma educação de qualidade. Em São José o novo está sendo construído todos os dias!”

Governo do golpe quer reduzir SUS e dar espaço a planos de saúde

Governo do golpe quer reduzir SUS e dar espaço a planos de saúde

Após dizer que reduzirá o Sistema Único de Saúde (SUS), o ministro golpista da Saúde, Ricardo Barros, afirma que não vai controlar a qualidade dos serviços de planos de saúde ofertados no País. “Ninguém é obrigado a contratar plano. Não cabe ao ministério controlar isso”, disse, em entrevista ao jornal “Estado de S. Paulo”.

Pouco preocupado com a qualidade dos serviços oferecidos pelos planos, Barros defende, no entanto, mais planos de saúde.

“Ninguém afirmou que a saúde tem de ser bancada apenas pelo governo. Quanto mais recursos destinados para a área, melhor para o SUS”, declarou.

Em entrevista à “Folha de S. Paulo”, publicada na terça-feira (17). Barros disse que é recomendável que os cidadãos tenham plano de saúde privado. “Quanto mais gente puder ter planos, melhor, porque vai ter atendimento patrocinado por eles mesmos, o que alivia o custo do governo em sustentar essa questão”. Horas após a entrevista ter sido divulgada, o ministro golpista recuou e disse não pretender reduzir o SUS.

A defesa dos planos de saúde é de suma importância para o ministro golpista por uma “simples razão”: doações eleitorais. O maior doador individual da campanha de Barros para deputado federal em 2014, coincidentemente ou não, foi Elon Gomes de Almeida, sócio do Grupo Aliança, uma gigante de planos de saúde, informou a coluna Expresso, da revista “Época”.

 

Fiscalização

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde e responsável pelo setor de planos de saúde no Brasil.
Começam a vigorar, no domingo (15), as novas regras de atendimento prestado por operadoras de planos de saúde nas solicitações de procedimentos e serviços de cobertura assistencial. As medidas, definidas pela ANS por meio da Resolução Normativa 395, foram anunciadas em janeiro deste ano, pela gestão da presidenta eleita Dilma Rousseff. A multa em casos de descumprimento das normas varia de R$ 30 mil a R$ 250 mil.

 

 

Fonte: Linha Direta PT

Mais duas escolas recebem o programa Escola Interativa

Mais duas escolas recebem o programa Escola Interativa

O programa Escola Interativa da Prefeitura de São José dos Campos chegou, nessa sexta-feira (13-05), em mais duas escolas na região sul da cidade.

As escolas Municipais de Ensino Fundamental (EMEF) Professora Ruth Nunes da Trindade, no Parque Interlagos, e Professora Norma de Conti Simão, no Bosque dos Ipês receberam a lousa interativa e o treinamento para o uso dos equipamentos. A equipe do programa realizou uma aula inaugural aberta à comunidade escolar para apresentar o projeto e seu funcionamento.

Com a instalação nessas duas unidades, o Programa Escola Interativa chegou à 34ª escola, sendo implantado desde julho de 2014.

“O programa tem contribuído para a interação entre professor e aluno, aliando a tecnologia ao processo de aprendizagem, promovendo uma transformação na rede municipal de ensino. A união de tecnologia e pedagogia tem sido um grande aliado para a modernização do sistema de educação.” destacou a Vereadora Amélia

escola interativa (5)Com o programa, as salas de aula das escolas municipais são equipadas com recursos tecnológicos como servidor, notebook do professor, tablet do aluno, projetor interativo integrado com os demais equipamentos e conteúdo virtual obtido por meio de acesso à internet (via wifi).

Além das EMEFS, outras 72 escolas de Educação Infantil foram contempladas pelo programa. Neste caso, a Escola Interativa vem sendo implantada nas Salas de Leitura, deixando o aprendizado ainda mais interessante e contribuindo para a qualidade de ensino das crianças.

Até o final do ano, serão 46 EMEFS e 76 escolas de Educação Infantil beneficiadas pelo programa, permitindo o acesso tecnológico e preparando mais de 60 mil alunos para o futuro.