16 DIAS DE ATIVISMO: Hoje é o Dia do Laço Branco

16 DIAS DE ATIVISMO: Hoje é o Dia do Laço Branco

 

O dia 6 de Dezembro marca um importante desafio na luta pelo fim da violência contra a mulher: A mobilização dos homens para junto dessa luta! E em São José acontece daqui a pouco na Univap (Centro) um Ato Simbólico onde os homens que apoiam a luta das mulheres contra a violência poderão fazer sua adesão e pegar a sua fita branca simbólica.

No dia 6 de dezembro de 1989, um homem de 25 anos (Marc Lepine) entrou armado na Escola Politécnica de Montreal, no Canadá. Em uma sala de aula, ele ordenou que os homens (aproximadamente 50) se retirassem. Assassinou 14 mulheres e depois saiu atirando pelos corredores e outras dependências da escola, gritando “Eu odeio as feministas”. Desta forma, ele matou 14 estudantes, todas mulheres. Feriu ainda 14 pessoas, das quais 10 eram mulheres. Depois suicidou-se. Com ele, foi encontrada uma carta que continha uma lista com nomes de 19 feministas canadenses que ele também desejava matar e na qual ele explicitava a motivação de suas ações, em suas palavras: “mandar de volta ao Pai as feministas que arruinaram a sua vida”.

O crime, que ficou conhecido como o “Massacre de Montreal”, mobilizou a opinião pública daquele país, gerando amplo debate sobre as desigualdades entre homens e mulheres e a violência gerada por esse desequilíbrio social. Assim, um grupo de homens canadenses decidiu organizar-se para dizer que existem homens que cometem a violência contra a mulher, mas existem também aqueles que repudiam essa violência. Eles elegeram o laço branco como símbolo e adotaram como lema: jamais cometer um ato violento contra as mulheres e não fechar os olhos frente a essa violência.

Desde então, diversos comitês se organizam e promovem todos os anos ações de sensibilização e educação entre pares. Neste ano o Comitê do Laço Branco de SJC em parceria com o Curso de Serviço Social da UNIVAP e o Centro Dandara de Promotoras Legais convoca todos os homens para aderirem à campanha! Basta comparecer à UNIVAP Centro no dia 6 de dezembro das 19 às 21 horas para fazer adesão a este pacto. Será feita a distribuição das fitinhas da campanha, adesão à campanha e ainda teremos alguns voluntários à disposição para conversas e orientações, individuais e coletivas, sobre a temática.

Onde irão nascer nossos bebês? Cadê o Hospital da Mulher?

Onde irão nascer nossos bebês? Cadê o Hospital da Mulher?

Estamos aqui na Praça Afonso Pena denunciando o descaso do Prefeito Felício com a Saúde das mulheres. Em plena Campanha dos 16 Dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher cidade perde as vagas de Maternidade e Pediatria do Hospital Antoninho Rocha Marmo. Atendimento pelo SUS no Hospital se encerram no dia 12 de dezembro.

Queremos o Hospital da Mulher!

 

Confira o vídeo:

ONDE IRÃO NASCER NOSSOS BEBÊS?CADÊ O HOSPITAL DA MULHER?Estamos aqui na Praça Afonso Pena denunciando o descaso do Prefeito Felício com a Saúde das mulheres. Em plena Campanha dos 16 Dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher cidade perde as vagas de Maternidade e Pediatria do Hospital Antoninho Rocha Marmo. Atendimento pelo SUS no Hospital se encerram no dia 12 de dezembro. #16DiasdeAtivismo #BastadeViolência #NenhumaAmenos

Publicado por Amélia Naomi em Sábado, 1 de dezembro de 2018

A violência contra as mulheres na ditadura e no Neofascismo

A violência contra as mulheres na ditadura e no Neofascismo

“A violência contra as mulheres na ditadura e no Neofascismo” com Amelinha Teles. Atividade compõe agenda da Campanha 16 Dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher organizada pela vereadora Amélia Naomi.

 

Confira o vídeo:

"A violência contra as mulheres na ditadura e no Neofascismo" com Amelinha Teles. Atividade compõe agenda da Campanha 16 Dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher organizada pela vereadora Amelia Naomi.

Publicado por Amélia Naomi em Segunda, 26 de novembro de 2018

Amelinha Teles fala sobre a "Violência contra as mulheres na ditadura e no Neofascismo". #16diasdeativismo #16diasdeativismopelofimdaviolenciacontraasmulheres #ElasPorElas #nenhumaamenos

Publicado por Amélia Naomi em Segunda, 26 de novembro de 2018

Max Gonzaga na Campanha 16 Dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher.

Publicado por Amélia Naomi em Segunda, 26 de novembro de 2018

 

 

Campanha de vacinação termina com 94% do público-alvo imunizado

Campanha de vacinação termina com 94% do público-alvo imunizado

A vacinação contra o em São José dos Campos atingiu, até esta quarta-feira (1º), 94,13% de cobertura do público-alvo estipulado pelo Ministério da Saúde. Foram vacinadas 178.014 pessoas, sendo 35.049 crianças de seis meses a menor de cinco anos (87,61%), 13.391 profissionais de saúde (65,77%), 4.800 gestantes (64,42%), 1.438 mães que deram à luz recentemente (117,39%), 70.273 idosos (110,96%) e 53.410 doentes crônicos.

Vacina H1N1-3A campanha terminou, oficialmente, nesta terça-feira (31). No entanto, enquanto o município tiver doses, as vacinas continuarão sendo aplicadas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), que funcionam de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

“Toda a campanha de vacinação ocorreu de maneira muito tranquila nas unidades básicas. Agora, mesmo após o fim da campanha, manteremos as doses restantes nas unidades de saúde para continuarmos atendendo as pessoas que ainda procurarem. Mas, é bom deixar claro, que apenas quem estiver nos grupos de risco serão vacinados”, disse a coordenadora do programa de imunização da prefeitura.

Doentes crônicos
Para o caso de pacientes com doenças crônicas é obrigatória a apresentação de uma solicitação médica, especificando o motivo da indicação, ou uma receita dos últimos seis meses com a medicação que utiliza.

 

 

 

Fonte: Prefeitura de São José dos Campos

Amparada em pesquisas, Dove questiona padrões de beleza

Amparada em pesquisas, Dove questiona padrões de beleza

Sete em cada dez mulheres brasileiras sentem pressão para ser bonita. E 66% delas concordam que existe um padrão de beleza. Mais do que isso: 73% entendem que as mulheres belas têm mais oportunidades na vida. Esses são alguns dos resultados da pesquisa da psicanalista Joana Novaes, coordenadora do Núcleo de Doenças da Beleza da PUC-Rio. Estudos como esse orientam a indústria de cosméticos sobre como falar com as mulheres nas campanhas.

Dove - Beleza fora da caixaA marca Dove, por exemplo, tem um conselho consultivo científico global sobre autoestima – do qual Joana Novaes é membro. Com base nos resultados da pesquisa, a Dove entende que é importante melhorar a autoestima feminina e romper conceitos de beleza limitados, explica o diretor de marketing de Dove, Eduardo Campanella.

A marca lança amanhã uma campanha que defende a “beleza fora da caixa” e questiona estereótipos. A campanha descreve uma pessoa e, na sequência, mostra uma mulher dentro das características apontadas, mas diferente do senso comum. Na campanha uma “loira, linda e angelical” é uma mulher albina. E uma “gaúcha bonita” é mulata. Além de um vídeo na internet, a ação terá peças no mobiliário urbano em cinco capitais brasileiras, a maior já feita em mídia out of home pela marca Dove.

Há dez anos a Dove trouxe o tema “beleza real” para suas campanhas, mostrando mulheres “de verdade” e não modelos ou celebridades. “A ideia é que as mulheres deixem de ver a beleza como algo inalcançável”, disse Campanella.

A empresa não é única a usar o discurso. A Natura, por exemplo, trouxe mulheres “reais” para suas campanhas quando lançou a linha de Chronos, de creme antirrugas, em 1986. O conceito evoluiu e, em março deste ano, a Natura lançou uma campanha questionando padrões de beleza.

De acordo com a vice-presidente de marketing da Natura, Andrea Alvares, o posicionamento da marca mostra um “compromisso com a verdade” da fabricante de cosméticos. “A beleza está em movimento e muda no decorrer dos anos. Mas acreditamos, sim, na diversidade do belo e que é legítimo o anseio pela beleza por todas as mulheres”, afirmou. Ao longo do ano a Natura lançará várias campanhas dentro dessa temática.

 

 

 

Fonte: Estado de SP – Marina Gazzoni