São José realiza a 2ª Conferência Municipal de políticas para as mulheres

São José realiza a 2ª Conferência Municipal de políticas para as mulheres

Conferência Mulher (3)A Conferência Municipal de Políticas para as Mulheres, reuniu no sábado (29) mais de 80 mulheres na Casa do Idoso Centro. Representado por mulheres da sociedade civil, organizações sociais, feministas e do poder público, como, secretarias municipais, polícias Civil e Militar, Câmara Municipal, o grupo discutiu os direitos e definiu as políticas públicas prioritárias para o segmento na cidade.

Os assuntos abordados seguiram o tema “Mais direitos, participação e poder para as mulheres” e os eixos discutidos foram definidos pela Comissão Organizadora da 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres.

Conferência Mulher (2)Entre os eixos de discussão, estavam temas como a contribuição dos Conselhos dos Direitos das Mulheres; as estruturas institucionais e políticas públicas desenvolvidas para as mulheres no âmbito municipal, estadual e federal; o sistema político com a participação das mulheres e igualdade; e o Sistema Municipal de Políticas para as Mulheres, nortearam a discussão.

Após a discussão e debate, foram eleitas prioridades, como fortalecer a rede de serviços e atendimento às mulheres em situação de vulnerabilidade para a violência doméstica e familiar, garantindo a integração operacional do poder judiciário, ministério público e defensoria pública; fortalecer as instituições que formam promotoras legais populares; criar o fórum estadual de gestores e gestoras municipais de políticas para mulheres; entre outras.

Algumas dessas propostas servirão como apontamento para a construção do Plano Municipal de Políticas para as Mulheres. Outras seguirão para a Conferência Estadual de Políticas para Mulheres e, sendo aprovadas, serão apresentadas na Conferência Nacional.

Ainda durante a Conferência Municipal, foram eleitas, por voto direto, as delegadas que, além de representar São José dos Campos na IV Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres, serão candidatas para a etapa nacional.

O encontro encerrou o ciclo de 11 encontros, sendo sete diálogos sobre a Conferência Municipal de Políticas para as Mulheres e quatro pré-conferências realizadas em agosto, em várias regiões da cidade.

Conferência Mulher (4)Essa política de participação social é realizada pela Secretaria de Promoção da Cidadania – Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para Mulheres, com a parceria da Comissão Organizadora da Conferência Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres, formada por mulheres do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (CMDM), organizações sociais e sociedade civil.

 

Com informações da Prefeitura de São José dos Campos

 

São José dos Campos e seus lugares com a Ver. Amélia Naomi

São José dos Campos e seus lugares com a Ver. Amélia Naomi

São José dos Campos completa 248 anos no próximo dia 27 de julho e a Câmara Municipal realiza uma série de entrevistas com os vereadores para homenagear nossa cidade.

A vereadora Amélia Naomi escolheu o Banhado por ser considerado o principal cartão postal de São José dos Campos, com uma extensa área verde de beleza singular e um grande atrativo ao pôr-do-sol. O Banhado possui uma área total de 4.320.00 m², abrangendo desde a região ao lado do centro urbano de São José dos Campos e se estende até o Rio Paraíba do Sul. Para quem o visualiza onde começa o aclive, na região central, praticamente perde-se de vista.

 

Leia mais sobre o Banhado

 

Livro de histórias sobre mulheres é lançado na Univap

Livro de histórias sobre mulheres é lançado na Univap

O livro “São José dos Campos: Cotidiano, Gênero e Representação”, último da coleção “História & Cidade”, será lançado nesta quarta-feira (25), às 19h30, no auditório da reitoria da Univap (Avenida Shishima Hifumi 2911 – Urbanova). A entrada é gratuita.

A obra é resultado de uma parceria entre a Univap, Fundação Cultural Cassiano Ricardo e a Câmara Municipal de São José dos Campos, por meio do programa Pró-Memória. Nesse último livro da série, é abordado o papel da mulher em vários momentos de relevância histórica do município.

A coleção, dividida em sete livros, organiza e preserva a memória da cidade por meio do resgate histórico em seus múltiplos aspectos. Os livros foram escritos por alunos de graduação e pós-graduação da Univap, sob a coordenação das professoras Maria Aparecida Papali e Valéria Zanetti, do Núcleo de Pesquisa Pró-Memória São José dos Campos.

Maria Aparecida Papali é historiadora, doutora em história Social pela PUC/SP e autora do livro “Escravos, Libertos e Órfãos: A construção da liberdade em Taubaté”.

Valéria Zanetti é historiadora, graduada pela Universidade Federal de Ouro Preto, mestre em História Social pela PUC/RS, doutora em História Social pela PUC/SP e autora do livro “Calabouço Urbano: escravos e libertos em Porto Alegre (1830-1860)”.

 

Fonte: Prefeitura Municipal

Número de doadores de sangue regulares aumenta no Brasil

Número de doadores de sangue regulares aumenta no Brasil

O número de doadores de sangue fidelizados no Brasil – aqueles que doam com regularidade – aumentou, mas continua longe do ideal. O alerta foi divulgado no Dia Nacional do Doador do Sangue, celebrado na última terça-feira (25).

Para o biólogo molecular da Fundação Pró-Sangue de São Paulo, Eduardo Levy, a melhora da instrução e mais informações podem explicar o aumento. “Cerca de 60% dos doadores aqui [Fundação Pró-Sangue] são doadores que vem de forma altruística e com regularidade. Mas em alguns países, como na Inglaterra esse percentual chega a 100%”, contou ele.

Por outro lado, o biólogo lamenta que a sociedade esteja cada vez mais individualista, sobretudo, os jovens e teme que os números voltem a cair. “Precisamos de campanhas e de educação nas escolas que combatam o egoísmo e ressaltem a importância de termos uma sociedade solidária. O sangue só vem de um ser humano, não existe sangue artificial e dependemos dos doadores”, completou o médico.

O gerente médico da Associação Beneficente de Coleta de Sangue (Colsan), Fábio Lino, lamentou que o mais comum entre os brasileiros ainda seja a doação a parentes e conhecidos em situações de emergência.

“A Organização Mundial de Saúde (OMS) preconiza que 5% da população de um país doem sangue regularmente para manter os estoques de sangue dos hemocentros. No Brasil esse percentual está entre 2% a 2,5%”, disse ele. “As campanhas ajudam pontualmente, mas falta conscientização. Falta essa cultura de perder um dia da vida para tentar ajudar o próximo doando sangue”, disse.

O diretor da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH), hematologista Dante Langhi Jr, compartilha da opinião dos colegas. Ele deu o exemplo do trabalho de conscientização com os doadores específicos, como os de plaqueta. “Como esse doador é contatado muitas vezes pelos serviços e a conscientização é mais efetiva, vimos um aumento desse número de doadores nos últimos anos”, comentou.

Para doar sangue é preciso ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50 quilos, estar bem de saúde e portar um documento de identidade oficial com foto. Jovens com 16 e 17 anos só podem doar sangue com autorização dos pais ou responsáveis legais. Não é necessário estar em jejum, apenas evitar apenas alimentos gordurosos nas 3 horas que antecedem a doação.

Os especialistas também elogiaram o uso do teste de ácido nucleico (Teste NAT) no sistema de saúde público que aumenta a segurança das transfusões de sangue.

A utilização do NAT nos bancos de sangue tornou-se obrigatória há um ano no País. Ele é o único capaz de detectar a presença do vírus do HIV, da Hepatite C e da Hepatite B no organismo entre o dia da contaminação por vírus e o momento de sua manifestação no organismo (janela imunológica).

Para Lino o Teste NAT foi uma das ferramentas mais importantes de controle do sangue nos últimos tempos. “O número de doações em janela imunológica é muito pequeno, mas ainda assim pode acabar infectando um paciente”, comentou.

Levy acredita que embora a incorporação do teste NAT seja de extrema importância para fortalecer segurança do sangue, é necessário mais tempo para mensurar sua utilidade no País.

“Ter um doador em janela imunológica é raro, estamos falando de índices de uma a cada 100 mil doações. Alguns bancos de sangue no país vão demorar uns cinco anos para ter 100 mil doações”, explicou ele.

Langhi Jr. comentou que em vários países desenvolvidos o NAT já é utilizado há muitos anos e sua eficácia comprovada por vários estudos. “É sem dúvida nenhuma um grande ganho a obrigatoriedade dos testes NAT. As vantagens que esse teste oferece já são conhecidas na literatura médica específica”.

O NAT é desenvolvido pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-manguinhos) da Fundação Oswaldo Cruz. (Fiocruz), vinculada ao Ministério da Saúde.

Câmara Municipal homenageia doadores

Em comemoração ao Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue, cinco doadores de sangue foram homenageados pela Câmara Municipal durante a sessão desta terça-feira (25). Todos os anos, em parceria com o Serviço de Hemoterapia de São José dos Campos, a Câmara concede diploma de reconhecimento e mérito aos voluntários com maior número de doação. Este ano, foram homenageados José Luiz Batista (28 doações convencionais e 102 doações); Aparecido Galvão Rodrigues (54 doações); Francisco de Assis Santiago (52 doações); Delton Ramalho (51 doações) e Carlos Henrique Cesar (42 doações).

Na cerimônia, o diretor do Serviço de Hemoterapia, Cláudio Pessoa de Melo, destacou que a Câmara é uma aliada na campanha pela doação de sangue. Ele explicou que a data comemorativa é uma oportunidade de agradecer um gesto de solidariedade que salva vidas.

O Serviço de Hemoterapia de São José dos Campos tem um cadastro de 161 mil doadores de sangue. Atualmente, 62% são voluntários (doam espontaneamente sem que haja um parente ou amigo precisando de sangue) e 50% retornam para uma nova doação no prazo de até 1 ano.

Fontes: Portal Brasil e Câmara Municipal

Sessões de Câmara retornam na próxima semana

Sessões de Câmara retornam na próxima semana

As sessões de Câmara, que ocorrem todas as terças e quintas-feiras, retornam na próxima semana. Às terças-feiras são votados requerimentos e encaminhadas as indicações feitas pelo vereadores. As quintas ficam reservadas para o exame, debate e votação de projetos de lei.

As reuniões funcionais do parlamento foram interrompidas em julho, período conhecido como recesso parlamentar. Lei federal determina, no caso específico das Câmaras Municipais, que elas podem estipular seus recessos conforme suas necessidades, adaptando-se à realidade de cada , desde que o total não ultrapasse 55 dias por ano.

Durante o recesso parlamentar, o setor administrativo e os gabinetes dos vereadores funcionam normalmente. Dessa forma, qualquer cidadão que necessite dos serviços prestados pela Casa poderá utilizá-los, de segunda a sexta-feira, em perfeito funcionamento, em seu horário habitual, das 08h às 12h e das 13h30 às 17h45.

As sessões são transmitidas pela TV Câmara, pela Net, canais 7 e 29. As reuniões dos vereadores, às terças e quintas-feiras, têm início às 17h30.

Terças de requerimentos

Os requerimentos são utilizados para os mais diferentes tipos de solicitações dos vereadores a órgãos e Secretarias. Na maioria das vezes, os requerimentos tratam de pedidos de serviços de melhorias, reparos, podas de árvores, pinturas de guias, fechamentos de ruas, desobstrução de bueiros. Os requerimentos passam por votação em plenário.

As indicações, por sua vez, são encaminhadas a empresas prestadoras de serviços públicos como Sabesp e EDP Bandeirante Energia sugerindo serviços ou solicitando informações.

Nas sessões de terça também se incluem as moções, nas quais o legislador e a Câmara aplaudem ou repudiam um ato ou a omissão do poder público em determinada situação.

Quintas de projetos

Às quintas-feiras são votados os projetos de lei. Muitas vezes após obter sugestões junto à comunidade ou por meio de pesquisa própria, o vereador redige uma proposta em forma de projeto de lei, para análise e votação dos integrantes da Câmara.

Fonte: Câmara Municipal