Servidores se queixam de falta de estrutura na saúde em São José

Servidores se queixam de falta de estrutura na saúde em São José

Funcionários ouvidos por OVALE apontam falta de equipamentos básicos de proteção e higiene, além de novas orientações para tratamento de pacientes na pandemia
Fonte: O Vale – Thaís Leite@_thaisleite | @_thaisleite

Servidores que integram a rede de saúde de São José dos Campos denunciaram falta de equipamentos básicos de higiene e proteção nas unidades municipais. Em momento de pandemia do coronavírus, os funcionários temem a própria saúde enquanto realizam o tratamento do próximo.

De acordo com um funcionário de uma UBS (Unidade Básica de Saúde), que preferiu não se identificar, faltam itens como álcool em gel para os profissionais, detergente bactericida, máscaras específicas para o bloqueio de qualquer tipo de bactéria, além de EPIs (equipamentos de proteção individual).

“Somos o batalhão de frente contra a doença. Quero ir ajudar, quero trabalhar, mas temos que ter condições. Do jeito que está, eu não tenho como me proteger”, disse.

A falta de equipamentos englobaria também as UPAs (Unidades de Pronto-Atendimento), onde o uso de máscaras teria sido disponibilizado somente para médicos.

Os servidores se queixam ainda de falta de orientações atualizadas do próprio município sobre como se deve proceder ao atendimento de pessoas que estejam com suspeita do coronavírus.

Foto: Claudio Vieira/PMSJC

“Não fomos comunicados sobre nenhuma conduta, nem protocolo que a gente tem que seguir para poder cuidar das pessoas”, contou um técnico de enfermagem.

No caso das UBSs, onde grande parte do público é formado por idosos, o grupo reivindica o cancelamento de consultas do grupo de risco para que eles não precisem deixar suas casas.

OUTRO LADO.

Em nota, a prefeitura listou as medidas adotadas aos funcionários contra a disseminação do novo coronavírus.

“A Secretaria de Saúde realizou treinamentos e orientações para todos os servidores da rede. Entre as medidas estão novos fluxos para segregar pacientes sintomáticos respiratórios; suspensão das agendas de grupos; suspensão de agendamentos para consultas eletivas em odontologia; restrição de atendimentos em linha de frente aos profissionais com mais de 60 anos, com disponibilidade de férias imediatas; cessão de máscaras a pacientes que chegam com síndrome respiratória; disponibilização de EPIs, bem como álcool em gel nas recepções; reforço de estoques de insumos e materiais e destinação de uma ala do Hospital Municipal só para pacientes com Covid-19”, diz nota.