Máfia da Merenda: Alesp não tem quorum para análise de escândalo

Máfia da Merenda: Alesp não tem quorum para análise de escândalo

A Comissão de Educação e Cultura da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) não analisou nenhum requerimento protocolado sobre a Máfia da Merenda – escândalo de desvio de recursos que seriam investidos na merenda escolar de crianças – do governo Geraldo Alckmin (PSDB) por falta de quórum. Houve também um pedido de vistas.

Das quatro reuniões da comissão em 2016, apenas em uma teve quórum suficiente. Os deputados deixaram de deliberar sobre vários temas relativos à investigação. Desde a primeira reunião da comissão do ano, no dia 8 de março, há nove requerimentos aguardando análise. A bancada do PT apresentou pelo menos 15 requerimentos.

Merenda estado Escola Alckmin1 “Os requerimentos das pessoas mais importantes estão lá e por isso que não está dando quorum. Nós do PT vamos continuar pressionando, ao lado dos nossos dois membros da comissão que continuarão por lá”, diz José Zico Prado, líder da bancada do PT na Alesp.

Entenda
A Polícia Civil e o Ministério Público de São Paulo deflagraram a Operação Alba Branca para investigar um esquema de corrupção e superfaturamento no fornecimento de alimentos para merenda escolar, envolvendo o governo de São Paulo e pelo menos 22 prefeituras do interior paulista.

Merenda estado Escola AlckminSegundo funcionário da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf) que denunciou a fraude, a cooperativa contratava “lobistas” que atuavam junto aos governos e prefeituras, pagando propina a agentes públicos em troca de favorecimento em contratos.  O maior deles é com a Secretaria de Estado da Educação de São Paulo. De acordo com o Ministério Público, o governo de Geraldo Alckmin pagou R$ 7,7 milhões à cooperativa no último ano.

Na semana passada, houve a divulgação de imagem do vendedor Carlos Luciano Lopes, da Coaf, cercado por blocos de cédulas de R$ 50, R$ 20, R$ 10 e R$ 2. De acordo com os investigadores, o vendedor exibiu o que ganhou de propina da Máfia da Merenda.

As investigações da Operação Alba Branca foram deflagradas em janeiro de 2016 e já provocaram prisões. Um dos investigados é o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), o deputado estadual Fernando Capez (PSDB). O tucano teria sido beneficiário de propinas para financiamento de sua campanha em 2014.

 

 

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações do G1