Fim do convênio com Antoninho e a Prefeitura sobrecarrega Hospital Municipal com o aumento de mais de 60% de partos no local

Fim do convênio com Antoninho e a Prefeitura sobrecarrega Hospital Municipal com o aumento de mais de 60% de partos no local

No mês de julho a morte de dois bebês no Hospital Municipal, além de procedimentos de esterilização de mulheres com a retirada de útero, trouxe à tona a realidade do agravamento da crise de São José no cuidado à saúde das mulheres e dos bebês após o fim do convênio da Prefeitura com o Antoninho Rocha Marmo para realização dos partos pelo SUS – aumentando o número mensal de partos de 300 a 500 (67%) – sobrecarregando o Hospital Municipal.

Desde o rompimento do contrato, em novembro de 2018, temos cobrado da Prefeitura uma política pública adequada, com atendimento humanizado! Por isso protocolamos à Secretária de Saúde, Prefeitura e Conselho Municipal de Saúde (Comus), um ofício pedindo informações sobre o Comitê Municipal de Vigilância à Morte Materna Infantil e Fetal em São José, para fiscalizar a garantia do cumprimento das iniciativas que promovem o parto humanizado e direitos assegurados as gestante, crianças e ao feto no processo do nascimento no município.

PSDB FALHA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS NA SAÚDE DAS MULHERES E BEBÊS

É triste saber que casos como esse poderiam ser evitados. O prefeito Felício abandonou o projeto do Hospital da Mulher, onde o atendimento seria 100% direcionado para o bem-estar e conforto das pacientes. Uma das irresponsabilidades políticas da atual gestão.

Apesar de termos conseguidos aprovar em março deste ano na 13ª Conferência da Saúde a criação do Hospital da Mulher, que seria uma extensão do ambulatório já existente na Vila Industrial, o governo tucano mais uma vez decidiu não investir no projeto, mantendo todos os partos no Hospital Municipal – que devido a demanda, não está conseguindo atender todas as gestantes, aumentando os casos de negligência.

O Hospital da Mulher se tivesse funcionando, teria 98 leitos e capacidade de realizar 50 mil atendimentos humanizados por ano às mulheres gestantes.

Continuaremos na luta para que o projeto saia do papel, a saúde da mulher precisa ser tratada com prioridade e não com descaso! Não estamos sendo respeitadas no Hospital Municipal e os nossos bebês querem nascer seguros em São José!

Abaixo, segue os ofícios: