Fim do convênio com Antoninho e a Prefeitura sobrecarrega Hospital Municipal com o aumento de mais de 60% de partos no local

Fim do convênio com Antoninho e a Prefeitura sobrecarrega Hospital Municipal com o aumento de mais de 60% de partos no local

No mês de julho a morte de dois bebês no Hospital Municipal, além de procedimentos de esterilização de mulheres com a retirada de útero, trouxe à tona a realidade do agravamento da crise de São José no cuidado à saúde das mulheres e dos bebês após o fim do convênio da Prefeitura com o Antoninho Rocha Marmo para realização dos partos pelo SUS – aumentando o número mensal de partos de 300 a 500 (67%) – sobrecarregando o Hospital Municipal.

Desde o rompimento do contrato, em novembro de 2018, temos cobrado da Prefeitura uma política pública adequada, com atendimento humanizado! Por isso protocolamos à Secretária de Saúde, Prefeitura e Conselho Municipal de Saúde (Comus), um ofício pedindo informações sobre o Comitê Municipal de Vigilância à Morte Materna Infantil e Fetal em São José, para fiscalizar a garantia do cumprimento das iniciativas que promovem o parto humanizado e direitos assegurados as gestante, crianças e ao feto no processo do nascimento no município.

PSDB FALHA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS NA SAÚDE DAS MULHERES E BEBÊS

É triste saber que casos como esse poderiam ser evitados. O prefeito Felício abandonou o projeto do Hospital da Mulher, onde o atendimento seria 100% direcionado para o bem-estar e conforto das pacientes. Uma das irresponsabilidades políticas da atual gestão.

Apesar de termos conseguidos aprovar em março deste ano na 13ª Conferência da Saúde a criação do Hospital da Mulher, que seria uma extensão do ambulatório já existente na Vila Industrial, o governo tucano mais uma vez decidiu não investir no projeto, mantendo todos os partos no Hospital Municipal – que devido a demanda, não está conseguindo atender todas as gestantes, aumentando os casos de negligência.

O Hospital da Mulher se tivesse funcionando, teria 98 leitos e capacidade de realizar 50 mil atendimentos humanizados por ano às mulheres gestantes.

Continuaremos na luta para que o projeto saia do papel, a saúde da mulher precisa ser tratada com prioridade e não com descaso! Não estamos sendo respeitadas no Hospital Municipal e os nossos bebês querem nascer seguros em São José!

Abaixo, segue os ofícios: 

  

Tribunal de Justiça mantém decisão e obriga Prefeitura a conceder vagas em creches em tempo integral

A decisão do prefeito Felício (PSDB) em só oferecer vagas em período parcial, está obrigando as mães a recorrerem à Justiça para exigir da Prefeitura o direito de deixar seus filhos em segurança. Em maio, duas decisões da Vara da Infância e Juventude de São José dos Campos concederam para duas crianças que estão em meio período, o direito de ter creche em período integral. (Acesse as ações clicando aqui) 

Alegando que a cidade não tem obrigação de oferecer e implementar vagas de educação em período integral, a Prefeitura recorreu ao Tribunal de Justiça de São Paulo. No entanto, em decisão divulgada na última sexta-feira (31), o Tribunal de Justiça negou os pedidos da Prefeitura de São José dos Campos para derrubar a liminar que garantia às famílias o direito as vagas para as crianças em creches municipais no período integral. A relatora do caso entende ser dever do poder público oferecer vagas para os que desejarem.

Infelizmente essa postura ressalta a falta de compromisso do governo do PSDB com as mães trabalhadoras e o comportamento de quem não sabe o que é ter que trabalhar duro para garantir o sustento da família. Além de achar que trabalhar o dia todo, privando-se da companhia dos filhos, é uma opção e não necessidade.

Felício não inaugurou nenhuma nova creche em tempo integral

Para cumprir o prazo do plano municipal de educação, que determina zerar a demanda de creches até 2020, a Prefeitura tem realizado diversas manobras para criar vagas somente em meio período. A medida apesar de gerar números, não atende com eficiência as mães trabalhadoras, que recebem pouco e precisam pagar pessoas para cuidar de seus filhos – além de passagens e custos como alimentação.

O prefeito Felício (PSDB) também não entregou nenhuma creche iniciada em seu governo e alterou o projeto do Prefeito Carlinhos – onde previa o funcionamento integral das unidades em construção nos bairros Jardim Santa Edwiges, Campo dos Alemães, Alto da Ponte, Monterrey/Jardim Santa Helena e Pinheirinho. Porém, apesar de todas serem planejadas para funcionar em tempo integral, foram inauguradas pelo governo do PSDB somente em meio período.

Entenda mais:

 

 

 

 

Embraer admite prejuízo com venda para Boeing

Em documento entregue à Comissão de Valores Mobiliários nos Estados Unidos, a Embraer admitiu que a venda da empresa para a Boeing poderá ser malsucedida.

O fato preocupa, pois com o desmonte, a Embraer será uma empresa com metade do faturamento, baixa lucratividade e capacidade tecnológica reduzida. O Brasil perde sua única grande empresa de alta tecnologia com inserção ativa no mercado internacional.

A nossa luta é pela soberania do País e, principalmente, pelos empregos de qualidade.

 

 

300 dias de resistência e 39 anos de PT

No dia 31 de janeiro, durante Sessão de Câmara, atuei em favor da Justiça e em solidariedade ao ex presidente Lula. Em um processo que entrou para a história pela falta de provas e interesse político de Sérgio Moro, que ao tirar Lula do processo eleitoral, foi recompensado com um cargo de super Ministro do governo Bolsonaro.

 

Lamento o injusto cárcere, e apoio as pessoas que estão acampadas em frente à prisão, para que os Direitos Humanos sejam respeitados.

 

No ano que o PT completa 39 anos de existência, é evidente a perseguição realizada por ideologias, penalizando Lula, o transformando em preso político. Inclusive, sendo impedido de ir ao velório do seu irmão Vavá, em mais um ato desumano e cruel da (In) Justiça brasileira. Seremos resistência, ninguém solta a mão de ninguém. LULA LIVRE!