Prêmio Beth Lobo de Direitos Humanos das Mulheres

Nesta quinta-feira, 28 de junho, acontece a entrega do Prêmio Beth Lobo de Direitos Humanos das Mulheres, que é outorgado anualmente a pessoa, entidade ou movimento social que se destacar por sua atuação em defesa dos direitos humanos das mulheres e enfrentamento à violência contra as mulheres.
O Prêmio Beth Lobo, proposto pelo deputado Adriano Diogo, vêem reconhecer e valorizar o trabalho de pessoas, entidades e movimentos sociais que lutam pela defesa dos direitos humanos das mulheres e enfrentamento a violência contra as mulheres.
A entrega do primeiro prêmio será entregue aos familiares de Elsabeth Lobo, por toda sua luta e dedicação aos direitos das mulheres. O premio também prestará homenagem à ex-militante do PCdoB, Maria Lúcia Petit, morta no Araguaia em 1972. Também serão homenageadas as corajosas jornalistas que cobriram em janeiro a bárbara ação de despejo do Pinheirinho, em São José dos Campos.

cartaz_premio_Beth_Lobo.jpg

Premio_Beth_Lobo.pdf

Vereadora Amélia participa da Cúpula dos Povos na Rio+20

AgenciaBrasil180612_MAC4993.JPG
Marcha das Mulheres na Cúpula dos Povos – Credíto Marcello Casal Jr/ ABr

A vereadora Amélia participa da Cúpula dos Povos e da Rio +20, no Rio de Janeiro. Ela busca troca de experiências para a elaboração de políticas públicas capazes de tornar as cidades sustentáveis, por meio do desenvolvimento social e da erradicação da pobreza. A vereadora Amélia também quer enfatizar e debater a necessidade de ampliação da presença das mulheres nas discussões.

AgenciaBrasil180612_MAC4562.JPG
Marcha das Mulheres na Cúpula dos Povos – Credíto Marcello Casal Jr/ ABr

Na manhã de ontem, a vereadora participou da Manifestação das Mulheres na Cúpula dos Povos, organizada pela Marcha Mundial das Mulheres no Brasil no Largo da Carioca, no centro da capital fluminense. O ato começou com uma caminhada pelas principais vias da região central da cidade, começando no Sambódromo, passando pela Avenida Presidente Vargas.

Após a manifestação no Largo da Carioca, elas seguiram para o Parque do Flamengo, onde está sendo realizado a Cúpula dos Povos, evento paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. Com bandeiras e cartazes, as mulheres criticavam o modelo de economia verde defendido na conferência.

“Nós temos que mudar esse modelo, porque o capitalismo é baseado justamente no lucro, e esse mecanismo vai explorar cada vez mais a natureza e o trabalho de homens e mulheres”, disse Nalu Faria, coordenadora da Marcha Mundial das Mulheres no Brasil.

AgenciaBrasil180612_MAC4973.JPG
Marcha das Mulheres na Cúpula dos Povos – Credíto Marcello Casal Jr/ ABr

No Largo da Carioca, as mulheres promoverem debates e atividades culturais referentes aos temas discutidos na Rio+20. O Batalhão de Choque da Polícia Militar, a Guarda Municipal e agentes da CET-Rio acompanharam a caminhada, mas nenhum incidente foi registrado.

A visão comum das mulheres é que deve ser construído outro modelo de produção-reprodução e consumo, baseado em outro paradigma de sustentabilidade da vida. Por isso, como sujeitos ativos no processo da Cúpula dos Povos, as mulheres se posicionam contra a mercantilização da natureza, em defesa dos bens comuns. Defendem, também, a liberdade, a autonomia e soberania das mulheres sobre seus corpos e suas vidas e demandam voz ativa em todos os processos de decisão sobre as políticas em geral.

fonte: Assessoria de Imprensa com Agência Patrícia Galvão e Agência Brasil

Vereadora Amélia quer bilhetagem eletrônica nas vans

A vereadora Amélia Naomi apresentou na sessão de ontem (14), Projeto de Lei 247/2012, que prevê a instalação do sistema de bilhetagem eletrônica nos veículos de transporte alternativo.

A medida visa beneficiar trabalhadores, estudantes e população em geral, que utilizam o cartão eletrônico, mas se vêm impossibilitados da utilização das vans, que não possuem o serviço.

A ampliação da bilhetagem eletrônica permitirá que os usuários tenham mais opções de linhas e usufruam da integração, evitando que tenham que pagar mais de uma passagem.

 transporte_anternativo_Van.jpg

 

Com o fim dos passes de papel, os proprietários de transporte alternativo tiveram uma queda acentuada no número de passageiros transportados e é necessário que se faça um ajuste na legislação vigente para garantir que o sistema atual usado no transporte coletivo possa também ser inserido nos transportes de passageiros pelo sistema de Vans.

“Esse é um importante passo para que a cidade tenha um sistema de integração de linhas 100% de fato. É possível incluirmos as vans na bilhetagem eletrônica, dando aos usuários mais opções de linhas, além de garantir mais segurança aos motoristas. São José precisa melhorar a qualidade do transporte coletivo e seguir exemplos de grandes cidades, como São Paulo, Guarulhos e Campinas, que já implantaram a bilhetagem eletrônica nas vans”, disse a vereadora Amélia Naomi.

GM ameaça fechar turno e abre programa de demissões

Ao longo dos últimos 16 anos, São José viu desaparecer importantes empresas como Kodak, Solectron, Ericsson, LP Displays (antiga Philips) e agora pode perder a General Motors. O fechamento da fábrica pode provocar a desindustrialização da região e uma reação em cadeia, que também afetaria outros setores da indústria, serviços e comércio. “A GM está investindo em outras unidades e já anunciou nova fábrica no Brasil, por isso, enviei requerimento repudiando as demissões e cobrando que a empresa invista aqui. São 54 anos de história na cidade que precisam ser respeitados”, disse a vereadora Amélia Naomi.

gm-crack.jpgPDV – A empresa abriu no último dia 06 de junho, um PDV (Plano de Demissões Voluntárias) que pode atingir cerca de 1.500 trabalhadores. A medida é contraditória, pois no mesmo momento em que quer demitir funcionários, a empresa também anunciou a abertura do terceiro turno na linha de produção da caminhonete S10 a partir do dia 18 de junho.

“Esse é o segundo PDV que a empresa abre em menos de 1 ano. Muitos trabalhadores em véspera de se aposentar estão sendo pressionados para aderirem ao programa. A GM quer demitir os mais antigos que ganham mais para contratar novos com salário menor, esse é um desrespeito com aqueles que ajudaram a construir e a consolidar a empresa”, disse a vereadora

Veja matéria:

GM abre plano de demissão voluntária em São José dos Campos

A vereadora amélia enviou um pedido de informação sobre as negociações entre o sindicato e a GM (leia o documento clicando aqui). O Sindicato dos Metalúrgicos nos informou por meio de documento oficial que “A GM está superando sua crise e recentemente voltou a ser a principal montadora de veículos do mundo. No Brasil, a empresa continua entre as três montadoras líderes de vendas. Em SJC, a fábrica responde por um terço dos lucros do país”, em outro trecho o sindicato ressalta que a empresa não está em crise e solicita uma intervenção imediata dos vereadores para que parem as demissões. (veja o documento na íntegra).

CPMI da Violência contra as Mulheres reúne de mais de 200 pessoas em São José

cpmi_11-06-12_035.jpg

São José dos Campos, 12 de junho de 2012– Mais de 200 pessoas compareceram ontem (11) a audiência regional do Vale do Paraíba e Litoral Norte da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Violência contra as Mulheres, realizada ontem (11) na Câmara Municipal de São José dos Campos, para apurar denúncias de omissão do poder público com relação à aplicação da Lei Maria da Penha e medidas para acabar com a impunidade aos agressores.

Presidida pelas deputadas Janete Pietá (PT) e Keiko Ota (PSB), integrantes da CPMI, o evento organizado pelas vereadoras Amélia Naomi (PT), Angela Guadgnin (PT), Dulce Rita (PSDB) e Renata Paiva (DEM), contou com a presença do Deputado Federal Carlinhos Almeida (PT), do Defensor Público Estadual Dr. Jairo Salvador, da Delegada Titular da DDM de São José, Dra. Carla Torres Salgado, da Secretária da Secretaria da Mulher, Alessandra Bento e da assessora da Senadora Marta Suplicy, Angélica Fernandes.

Também participaram do evento vereadores de Pindamonhangaba e entidades de Defesa da Mulher como: Centro Dandara de Promotoras Legais Populares de São José dos Campos, a ONG Espaço Mulher de Jacareí, Instituto Casa da Mulher de São José dos Campos e Conselhos Municipais em Defesa da Mulher de Aparecida, Pindamonhangaba, São Sebastião, entre outras cidades.

A audiência também foi acompanhada por alunos do Ensino Médio de 4 escolas de São José dos Campos, que puderam ouvir os relatos de violência compartilhados pela vítimas e pelas entidades.

Sem Rede – A falta de uma rede de apoio e proteção, que preste atendimento multidisciplinar as vítimas de violência e aos seus filhos foi relatada durante os depoimentos.

Caso da telefonista, Maria Regina, que após ser agredida pelo marido e ser levada desacordada para o Pronto-Socorro teve que esperar quase um mês para conseguir ser atendida pela entidade conveniada pela Prefeitura de São José, para atendimento as vítimas.

A falta de uma Casa Abrigo em São José dos Campos, que preste atendimento regional e de um Juizado Especial de Violência Doméstica e Familiar também foram reivindicados pelas participantes. Um abaixo-assinado com 15 mil assinaturas pedindo a Casa Abrigo foi entregue a CPMI.

“Não podemos permitir que a cada 5 minutos uma mulher continue sendo agredida no Brasil. Em São José, o crescimento da violência preocupa, de 2010 para 2011, o número de casos subiu 21%, totalizando 3592 denúncias. É preciso que todas as esferas de governo encarem o assunto com a urgência que ele merece. Por isso, a visita da CPMI é muito importante, pois nos ajuda a cobrar mudanças”, disse a vereadora de São José dos Campos, Amélia Naomi (PT).

Relatório Final – Todas as informações coletadas farão parte de um relatório, que será apresentado na audiência geral da CPMI do Estado de São Paulo, no dia 29 de junho, das 10h às 18h, na Assembléia Legislativa de São Paulo.

A CPMI – Criada em fevereiro deste ano, já visitou os estados de Pernambuco, Minas Gerais, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Alagoas e agora está em São Paulo, onde percorrerá 8 oito regiões.

No Estado de São Paulo, a CPMI conta com a participação da senadora Marta Suplicy e as deputadas federais Keiko Ota, Aline Correa, Bruna Furlan e Janete Pietá.

Mais informações:

Deputada Janete Pietá

E-mail: janetepieta@uol.com.br – Telefone (11) 2440-8232.

Deputada Keiko Ota

E-mail: contato@keikoota.com.br – Telefone (11) 2092-3337.

Senadora Marta Suplicy

E-mail: martagabinetesaopaulo@gmail.com – Telefone (11) 3459-0940

Confira galeria de fotos no facebook