Casos de tortura e morte de imigrantes japoneses são tema da Comissão da Verdade

Em sua 83ª audiência pública, realizada dia 10/10, a Comissão da Verdade do Estado de São Paulo Rubens Paiva abordou os casos de tortura e morte de imigrantes japoneses no Brasil entre os anos de 1946-1947. A reunião teve apoio da Comissão Nacional da Verdade, que estava representada por Rosa Cardoso.

O presidente Adriano Diogo (PT) afirmou que o povo brasileiro deve desculpas à colônia japonesa, pois por racismo e intolerância, 172 pessoas da comunidade ficaram presas no presídio da Ilha Anchieta, no litoral norte do Estado. A grande maioria dessas pessoas eram inocentes, sendo mandados para lá, por exemplo, por se recusarem a pisar a bandeira japonesa.

A audiência foi proposta por Mario Jun Okuhara, que falou da pesquisa de 12 anos que resultou no documentário Yami no Ichinichi – O crime que abalou a colônia japonesa no Brasil. Okuhara afirmou que é importante o reconhecimento das graves violações dos direitos humanos, pois a vergonha (um traço cultural da colônia nipo-brasileira) fez com que livros oficiais escondessem a intolerância e a violência que os imigrantes japoneses sofreram.

Após o fim da 2ª Guerra Mundial, 80% da colônia no interior do Estado de São Paulo, isolada, acreditava que o Japão havia vencido. Isso gerou dois movimentos na colônia, que levaram à discórdia.

Vida no presídio

A história de três pessoas foi contada à comissão. Uma delas foi a de Tokuichi Hidaka, que narrou os fatos que o levaram a ser, em junho de 1946, um dos autores do assassinato do coronel Jinsaku Wakiyama, líder da comunidade japonesa no Brasil. Hidaka contou ainda como era a vida no presídio Anchieta, onde ficou dois dos quinze anos da pena que cumpriu pelo homicídio de Wakiyama.

Em depoimento em vídeo, Akira Yamaguchi relembrou o que seu pai, Fusatoshi, contou sobre o tempo em que esteve no presídio Anchieta. A senhora Shizuko Kambara relembrou a prisão de Fukuo Ikeda, morto em 1946, vítima de tortura policial, e falou do clima tenso em que vivia a colônia no interior de São Paulo.

Resgate da história

Os deputados federal Junji Abe (PSDB) e estadual Jooji Hato (PMDB) agradeceram a realização da audiência e destacaram a necessidade de resgatar a história da colônia japonesa e restabelecer a verdade para que tais fatos, assim como a bomba de Hiroshima, nunca mais aconteçam.

A vereadora de São José dos Campos Amélia Naomi destacou a importância da audiência para a colônia japonesa. Ela, que preside a Comissão da Verdade da Câmara Michal Gartenkraut, reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), cassado cinco dias após conceder diplomas a ex-alunos perseguidos pela ditadura, disse que um dos objetivos é o fim da subordinação do ITA à Força Aérea Brasileira. Assistiram também à reunião diversos representantes da comunidade japonesa.

Homenagens

A audiência pública foi aberta com uma referência às bombas que destruíram as cidades de Hiroshima e Nagasaki, em 1945. A atriz Míriam Muniz leu depoimento de uma sobrevivente, que à época tinha 16 anos de idade.

Ao som de toque de clarim, Carmem Nakasuo de Souza, filha de presos políticos, depositou flores junto às bandeiras do Japão, do Brasil e do Estado. Foi uma homenagem não só à memória dos mortos japoneses na 2ª Guerra como também a todos os descendentes que, no Brasil, lutaram pelo fim da ditadura.

Esses combatentes de origem oriental foram nomeados em apresentação, sendo que sete deles estão mortos ou são desaparecidos políticos. Luiz Gushiken, um dos fundadores do PT recentemente falecido, também foi homenageado por seu filho Guilherme.

O documentário Yami no Ichinichi – O Crime que Abalou a Colônia Japonesa no Brasil pode ser assistido abaixo.

Comissão da Verdade é oficialmente instalada

Comissão da Verdade é oficialmente instalada

Na sessão desta última terça-feira (8) foi realizada a instalação da Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São José dos Campos Michal Gartenkraut com objetivo de apurar violações de direitos humanos que teriam ocorrido na cidade na ditadura militar (1964-1985).

Assista a matéria do Jornal BAND Cidade sobre a instalação da Comissão da Verdade (clique aqui).

Na cerimônia de abertura estiveram presentes pessoas que viveram, sofreram e batalharam contra o regime, como o Sr. Pedro Lobo, ex-militar que se converteu ao socialismo e se tornou companheiro do Capitão Carlos Lamarca na luta contra a ditadura implantada a ferro e fogo em março de 1964; o ex-vereador e jornalista Luiz Paulo Costa, funcionário da gráfica do antigo CTA de São José dos Campos, defensor do socialismo levado à força de casa pelos militares; e Ovidio Ferreira, preso político, torturado por mais de 2 anos sendo parte dele nos porões do Navio Raul Soares, em Santos. Uma prisão flutuante para aqueles que eram contra a ditadura.

Entre o público presente, a diretora do Arquivo Público de São José dos Campos, Nadia Kogio e a assessora da Presidência da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, Priscila Vidal Milioni – parceiras nesta iniciativa.

Os alunos da Turma de 64 do ITA, Luiz Maria Esmanhoto – também prestigiaram o evento. Os três expulsos e perseguidos pelo regime militar receberam das mãos do Professor Michal, os diplomas. Tal acontecimento teria motivado a demissão do então reitor do ITA.

A Comissão da Verdade irá colher depoimentos de ex-professores do ITA, ex-funcionários do DCTA (Departamento de Ciências e Tecnologia Aeroespacial), líderes estudantis, sindicalistas e trabalhadores de São José dos Campos que participaram da luta contra a ditadura.

O ex-vereador e jornalista Luiz Paulo Costa destacou a necessidade de “passar a história do período da ditadura a limpo para que finalmente nós possamos olhar e construir com maior segurança o nosso futuro, o futuro do país, para um Brasil melhor”.

A próxima audiência, de um total de oito, está marcada para o dia 16 de outubro e serão divididas pelos temas: O ano de 1964 em São José dos Campos; O ano de 1964 no ITA; São José dos Campos e o ITA no ano de 1975; A Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de São José dos Campos; Movimentos Estudantis de 1964 a 1985; Perda e Reconquista da autonomia política de São José dos Campos; e A luta pela anistia dos trabalhadores demitidos por greve no período da ditadura. As audiências serão realizadas às quartas-feiras, às 14h, no plenário da Câmara.

Clique aqui e veja mais fotos.

A mesa de trabalho da solenidade foi composta pela presidente da Câmara, Amélia Naomi (PT); os vereadores Willis (PP), Carlinhos Tiaca (PMDB), Dulce Rita (PSDB) e Tonhão Dutra (PT); o presidente da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, Alcemir Palma; a coordenadora do Pró-Memória, professora Maria Aparecida Papali; os perseguidos políticos Luiz Paulo Costa, Pedro Lobo e Ovidio Ferreira; e Marlene Gartenkraut, esposa do ex-reitor do ITA homenageado com a denominação da comissão.

Prefeito Carlinhos apresenta melhorias para professores municipais

Prefeito Carlinhos apresenta melhorias para professores municipais

O Prefeito Carlinhos Almeida (PT) vai enviar à Câmara Municipal projeto de lei propondo alterações no Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos do Magistério. A proposta visa à valorização do professor da rede municipal, atendendo a reivindicações antigas da categoria.

A iniciativa foi anunciada pelo prefeito municipal na manhã desta quinta-feira (10), no Centro de Formação do Educador “Professora Leny Bevilacqua” (Cefe), durante evento em comemoração ao Dia do Professor (15).

A proposta foi aplaudida pelos educadores da rede. “Essas medidas são necessárias, não apenas para cumprir a lei, mas, sobretudo, para fortalecer a qualidade da Educação no município e a valorização dos nossos professores”, afirmou o prefeito.

Presente na apresentação, a vereadora Amélia elogiou a iniciativa que comprova a prioridade que a Educação tem para o governo do Prefeito Carlinhos, que tem investindo na criação de novas escolas e vagas em creches.

“Queremos para São José, o mesmo salto de qualidade alcançado em âmbito federal, que criou inúmeras oportunidades para que alunos e professores se qualifiquem e se profissionalizem. Nossa cidade precisa voltar a ser referência em tecnologia e inovação, por isso precisamos investir na formação dos nossos professores, que precisam se sentir valorizados. Nesse processo todos ganham”, disse a vereadora Amélia Naomi.

Conheça os principais benefícios

– Projeto visa alterar a Lei Complementar 454, de 8 de dezembro de 2011
– Propõe a ampliação da jornada de trabalho dos professores das Escolas Municipais (EMEI) e Núcleos de Educação Infantil (NEI) para cinco horas diárias (seis horas/aula)
– Padronização do trabalho pedagógico de pelo menos seis horas/aula diárias para todos os alunos da rede municipal de ensino.
– Incorporação gradual da gratificação de 20% do HTC (Horário de Trabalho Coletivo), sendo 5% em 2014, 5% em 2015 e 10% em 2016;
– Implantação de 1/3 de trabalho fora de sala de aula para todos os professores, também de forma gradativa, até 2016.

Outra proposta do projeto é a criação de 500 novos cargos efetivos de professores P I (anos iniciais) e P II (anos finais), para atender à expansão da rede municipal de educação.

Valorização em sala de aula

De acordo com o secretário de Educação, Célio Chaves, a iniciativa vem ao encontro da proposta de investimento na Educação do município. “Significa um reconhecimento e a valorização do professor em sala de aula”, disse.

A proposta também foi elogiada pelos profissionais, principalmente os que trabalham há mais tempo na rede. É o caso das professoras Fátima Maria Martins e Ana Lúcia Machado, da Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Vera Lúcia Carnevalli Barreto, que há mais de 20 anos estão na rede municipal.

“Foi uma ótima notícia para nós, principalmente a incorporação do HTC (Horário de Trabalho Coletivo), que é uma luta muito antiga dos professores”, disse Fátima.

O evento em homenagem ao Dia do Professor teve ainda apresentações de Dança Circular, com o artista plástico Guataçara Monteiro, e de capoeira, com o mestre Lobão.

Câmara realiza encerramento da Semana Internacional do Idoso

Câmara realiza encerramento da Semana Internacional do Idoso

JOU_1194

Após uma semana de atividades e palestras, mais de duzentas pessoas se reuniram na Câmara Municipal de São José dos Campos, para o evento de encerramento da Semana Internacional do Idoso, na última sexta-feira (4).

O evento contou com a presença da vereadora Amélia Naomi, da Vice-Reitora da Univap, Dra. Sandra Costa; da Vice-presidente da FVE e Diretora da Faculdade de Ciências Sociais da Univap, Profª. Dra. Emilia Ângela Lo Schiavo Arisawa; da Diretora da Faculdade da Terceira Idade, Profª. Dra. Elisabeth M. Liberato e da coordenadora do PROCON de São José dos Campos Dra. Cidinha Borges.

Logo no início do evento o coral Viva Voz da Faculdade da Terceira Idade – UNIVAP, encantou os presentes, cantando as músicas “Deus e eu no sertão”, “o mundo não tem vez”, “a voz do meu amor”, e outras. Depois foi a vez da apresentação do grupo de Choro Pixinguinha da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, que foram acompanhados pela cantora Ana Morena que contagiou todos os presentes.

A coordenadora do PROCON de São José dos Campos Dra. Cidinha Borges, acompanhada dos técnicos Dr. Sérgio Antônio e Dra. Laís, prestaram orientação aos idosos sobre planos de saúde, cuidados com empréstimos consignados, entre outros direitos.

Durante o evento foi lançada pela vereadora Amélia Naomi a Cartilha do Idoso. O projeto é uma realização da Câmara Municipal e PROCON, com apoio da Caixa Econômica Federal. Além da entrega aos presentes, cartilhas estão sendo distribuídas nas Casas dos Idosos, e podem ser retiradas gratuitamente no CAC na Câmara Municipal e no PROCON.

São José dos Campos foi classificada para receber o Programa Estação Juventude

O projeto de Políticas Públicas para a Juventude, da Prefeitura de São José dos Campos, foi classificado entre mais de 800 inscritos pela Secretaria Nacional de Juventude, do Governo Federal. Elaborado pela Secretaria de Promoção da Cidadania, o projeto prevê a implantação no município do Programa Estação Juventude.

“Ainda precisamos passar pela última etapa, mas acredito que estamos no caminho certo para realizar esse projeto para a juventude da nossa cidade”, disse o Secretário de Promoção da Cidadania.

Segundo o secretário, o Programa Estação Juventude prevê um Núcleo de Orientação Profissional, com profissionais qualificados, psicólogos e atendentes para orientar os jovens sobre profissões, vocação, mercado de trabalho, carreira e outros programas relacionados à educação e acesso às universidades, ensino técnico e programas de bolsas de estudo nos diversos níveis.

Com outros programas da Secretaria de Promoção da Cidadania, o Estação Juventude será composto de um conjunto de ações para o fortalecimento das políticas públicas para os jovens, nas áreas de educação, emprego, cultura, lazer, esporte e participação social.

Estação Juventude

O Programa Estação Juventude do Governo Federal tem a finalidade de promover a inclusão e emancipação dos jovens, com a ampliação do acesso às  políticas públicas. Um dos objetivos é oferecer informações sobre programas e ações para os jovens, além de orientação, encaminhamento e apoio para que eles próprios tenham condição de construir as suas trajetórias e buscar as melhores formas para  a sua formação.

Fonte: Secretaria de Promoção da Cidadania