Amélia propõe criação da Política Municipal de Atenção Integral à Saúde do Homem

Amélia propõe criação da Política Municipal de Atenção Integral à Saúde do Homem

O projeto de lei 434/2018, apresentado pela vereadora Amélia Naomi (PT), autoriza a prefeitura a instituir a Política Municipal de Atenção Integral à Saúde do Homem, para a redução da mortalidade da população masculina por meio da prevenção dos fatores de risco e do acesso às ações e aos serviços de assistência integral à saúde.

 

Entre os objetivos estão o incentivo a campanhas educativas; a capacitação das equipes de saúde e ainda a análise de indicadores a fim de monitorar as ações e avaliar seu impacto, além da participação do Conselho Municipal de Saúde na discussão da política a ser implantada.

 

Apesar de 49% da população ser composta por homens e 51% por mulheres, os óbitos não refletem essa proporção. Em uma década, “de 2006 a 2016, foram 40.278 óbitos sendo 22.698 de homens e 17.580 de mulheres, ou seja, os homens representaram 56% dos óbitos no período contra 44% das ocorrências do sexo feminino”, argumenta Amélia.

 

Segundo a justificativa da vereadora, “os dados evidenciam que, além das causas externas que acometem mais homens que mulheres, como homicídios e mortes por acidentes no trânsito, a série de políticas públicas voltadas à atenção da saúde da mulher produziram efeitos”.

 

De acordo com a proposta, a política deverá seguir os princípios da universalidade; humanização; corresponsabilidade quanto à saúde e à qualidade de vida; e orientação à população masculina, aos familiares e à comunidade sobre a prevenção e o tratamento das doenças preponderantes no homem.

2,5 milhões de alunos de SP podem perder aula por falta de professor segundo secretário do Doria

2,5 milhões de alunos de SP podem perder aula por falta de professor segundo secretário do Doria

O secretário da educação de São Paulo Rossieli Soares da Silva disse nesta quarta-feira (2) que 2,5 milhões de alunos podem ficar sem aula por falta de professores e que não há contratos para entrega de kits escolares e material pedagógico para os alunos.

 

Rossieli deu sua primeira entrevista no cargo em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes ao lado de João Doria, do vice Rodrigo Garcia, do secretário da fazenda Henrique Meireles e do secretário de segurança pública General Campos.

 

Rossieli disse que “temos um prejuízo gigantesco na educação para o início do ano letivo” e que “estamos encontrando uma tragédia na educação (do estado)”.

 

De acordo com o secretário, a falta de professores acontece por causa da proibição da contratação de novos professores temporários pela Justiça de São Paulo no ano passado.

 

“Nós temos hoje 8.500 professores que não podem ser repostos como temporários, podendo trazer um prejuízo imediato para 60 mil alunos do 1° ao 5° ano, em alguns municípios como Mogi Mirim podemos ficar com até 50% dos alunos sem aula, o que é uma tragédia para a educação”.

 

Leia mais no G1 São Paulo

Decreto de Bolsonaro fixa o Salário Mínimo abaixo dos Mil Reais

Decreto de Bolsonaro fixa o Salário Mínimo abaixo dos Mil Reais

O presidente Jair Bolsonaro assinou decreto em que estabelece que o salário mínimo passará de R$ 954 para R$ 998 este ano. Foi o primeiro decreto assinado por Bolsonaro, que tomou posse nesta terça-feira. Pelo orçamento aprovado, o valor poderia ser de R$ 1.006 – oito reais a mais. O valor já está em vigor a partir de ontem (1º). Foi o primeiro decreto assinado por Bolsonaro, que tomou posse nesta terça-feira.

 

O decreto foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União, assinado por Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

 

O salário mínimo é usado como referência para os benefícios assistenciais e previdenciários. O mínimo é corrigido pela inflação do ano anterior, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país) dos dois anos anteriores.

 

Jair Bolsonaro editou uma medida provisória que estabelece a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos ministérios. Em outro decreto, o governo altera a organização das entidades da administração pública federal indireta. Foram publicados também os decretos de nomeação dos novos ministros.

 

 

Por Brasil 247